sexta-feira, fevereiro 11, 2011

30 anos e 18 dias depois, Mubarak abandona o trono

Sem abandonar completamente o poder, mas, de partida para férias junto à fronteira com Israel..., Mubarak, diz ter entregue o poder a uma junta militar e ao seu ex-chefe da polícia secreta, o braço da repressão das liberdades e da conivência com os EUA e com Israel...
Não esquecer que cerca de metade do gás fornecido a Israel é feito pelo Egipto...
Lembrar que Mubarak era uma das tenazes que comprimiam a Faixa de Gaza e o povo palestiniano!
Após estes 30 anos de intimidade com todos os serviços secretos dos EUA e de Israel, da total dependência do seu exército da proximidade com aqueles dois poderes, este regime cai de podre e agora vão seguir-se tantos ajustes de contas quantos os crimes em solo egípcio.
Já a nível da região, Israel passa a estar refém da sua própria política expansionista.
E que se cuidem todos os outros fantoches do neo-colonialismo e do imperialismo sionista, qualquer que seja a sua nacionalidade.
Aquela região iniciou hoje um processo de descolonização e de libertação das tutelas que, nas nossas TVs nos continuam a ameaçar com o "poder caído nas ruas", os "fundamentalistas" ou os "extremismos"...
Como se, aqueles que retalharam o Médio Oriente, os que depuseram regimes ou elegeram tiranos ao longo de mais de 80 anos, os que destruiram e invadiram países, os que financiaram todas as traições, mais os que se financiaram com o roubo do petróleo, e os que levaram a cabo as políticas de segregação racial e de assassínios selectivos, não fossem, eles mesmos, os extremistas e os fundamentalistas que vão agora conhecer o sabor amargo do pó das estradas de todos os desertos!
Este último número de circo-político da "passagem" do poder ao chefe da secreta e ao exército, comprometidos com todos os crimes cometidos pelo regime, pode também conduzir à manutenção do poder americano e de Israel...
Lembrar que Baradei, o homem que "confirmou" a existência de armas nucleares no Iraque, já foi enviado à pressa para o Cairo afim de evitar maiores estragos após a queda de Mubarak.
Se for ele de facto o herdeiro político de Mubarak, estamos conversados.
E, se ele é mesmo um especialista nuclear, vai ter a oportunidade de lidar directamente com essa especialidade israelita...

1 comentário:

Rogério Pereira disse...

Frequentemente às ditaduras personificadas seguem-se democracias travestidas. Estão lá os ingredientes todos para que tal aconteça. Esperemos que os "donos da solução"(expressão de Lula da Silva) sejam clarividentes e se mantenham unidos...