quinta-feira, dezembro 31, 2009

Este é o Ano Novo que nos aguarda: O Neo-plano circense, ou o País que se lixe!

O plano desta oposição ignara é simples.
Encostado o PS às cordas, detestando-se entre si, eles encostam-se a Belém.
Pode ser que daí, o homem se queira suicidar, e os promova sem avaliação.
Entretanto, prosseguem as medidas para tolher a governação do PS.
A começar claro pelo OE que, se já seria um exercício de grande perícia, passou agora para o nível da magia. Da prestidigitação.
Depois, e dado que nada indica que, nos tempos mais próximos, a actividade privada produza mais empregos que desempregados, a mesma oposição tudo fará para evitar que se realizem os prometidos investimentos públicos. Mesmo que de públicos só tenham a intenção, isso não os interessa nada. Já perderam há muito o seu horizonte ideológico. Querem lá saber se os projectos lançados pelo PS são do interesse nacional e beneficiam também os grandes capitalistas e financeiros. O que é preciso, indispensável e inadiável é destruir este Governo e o Secretário Geral do PS.
O País que se lixe!
Portanto há que tornar inviáveis as obras públicas e incapacitar o Governo de prosseguir uma política de apoio social, aumentando assim o descontentamento social e colher daí o fruto bastardo.
A receita é conhecida e já foi posta no prato de muita gente.
Sabe ao que sabe.
O que sei é que, ao enveredar por esse caminho, ao transaccionar este tipo de mercadoria com o inquilino de Belém, esta oposição e este Presidente apenas têm um plano de poder pessoal em tudo semelhante a uma grande feira de interesses onde não faltam nem os palhaços, nem os carteiristas entre a multidão...

Ora aqui está um inestimável reforço para muitos tele-jornais

Este blog está em condições de informar, a pedido, as numerosas ofertas de emprego para este add-on ao desempenho de vários apresentadores e comentadores da nossa praça...

Afinal foi o juiz de Aveiro quem cometeu ilegalidades e nulidades jurídicas

De acordo com a decisão do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça quem feriu de morte a instrução do processo Face oculta no que se refere às escutas ao 1º Ministro foi o próprio Juiz de Instrução.
É ler e apreciar:
"O presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Noronha do Nascimento, criticou o juiz de instrução de Aveiro, que terá extrapolado as suas funções ao considerar haver indícios do crime de atentado ao Estado de Direito nas escutas entre Armando Vara e José Sócrates, extraídas do processo Face Oculta.
Este é o argumento que Noronha do Nascimento utiliza no seu primeiro despacho, datado de 3 de Setembro, para considerar nulas as primeiras seis conversas entre o primeiro-ministro e o vice-presidente do BCP.

"A decisão do JIC [juiz de instrução criminal] ao retirar consequências de conversações interceptadas em que interveio o primeiro-ministro, valorando e dando sequência a conhecimentos fortuitos revelados por uma conversação, viola as regras de competência material e funcional do artigo 11º, nº 2, alínea b) do Código do Processo Penal, sendo consequentemente nula", lê-se no despacho.

No segundo despacho, o presidente do STJ declara novamente nulas as restantes cinco escutas entre os dois amigos, mas com base noutro argumento: não foi cumprido o prazo de 48 horas para o Ministério Público apresentar as escutas ao juiz de instrução"
Mas isto pode ficar por uma crítica?
Não há nada que esta justiça deva fzaer para se limpar da porcaria que fez?
E qual o valor da indemnização a que Sócrates e Vara têm direito?
A suspeita , pior, os indícios, eram de que teriam atentado contra o Estado de Direito. Coisa irrelevante!
E nada acontece?
Desta forma, com estas garantias individuais, só vai para a política e para o serviço público quem já nada tenha a perder. Nem a vergonha!

quarta-feira, dezembro 30, 2009

Da natureza do Imperialismo. De todos os tempos. E da próxima aventura militar dos EUA.Agora vai ser o Yemen, bem nosso conhecido doutros carnavais...

E para terminar o devir do ano, porque não recorrer à memória e deixarmo-nos de rodriginhos sobre a história do imperialismo?:
"Restava ainda aos portugueses o desafio de destruir o poder árabe no Oceano Índico e, deste modo, fazer gorar as rotas comerciais com Veneza. Embora Afonso de Albuquerque nunca tenha concretizado as suas ambições declaradas - desviar o rio Nilo do Egipto e capturar o túmulo do Profeta Maomé, em Meca-" páginas 158 e seguintes em "A primeira Aldeia Global - Como Portugal Mudou o Mundo" de Martin Page/ Ed. Casa das Letras
" Francisco de Almeida, o primeiro vice-rei, partiu de Lisboa com uma frota de 22 navios. Cerca de 1500 dos 2500 homens a bordo eram soldados fortemente armados e bem protegidos por armaduras. Muitos outros tinham a tarefa de operar os canhões de carregar pela culatra. Encaminharam-se para o entreposto árabe de Kilwa, na costa oriental de África, e metralharam a cidade, durante horas. (..) O emir fugiu com muitos dos seus apoiantes. Os portugueses permaneceram e construiram um forte a partir dos escombros das casas e de outros edifícios que tinham destruído no bombardeamento. A velocidade com que trabalharam foi espantosa. Concluiram a estrutura em 16 dias (...) Instalaram tropa de infantaria no forte e nomearam governador um africano local. Deixaram dois barcos para patrulhar a entrada do porto e afastar os árabes que tentassem aproximar-se."
Já em Mombaça, mais ao norte:
(...) Aqui foram alvejados por canhões que os locais tinham recuperado dos destroços de um navio português abandonado na costa. Os portugueses ripostaram com um bombardeamento impressionante de balas de canhão e archotes acesos, que destruiram a cidade. (...)
Tristão da Cunha foi entretanto enviado de Lisboa com uma larga frota para Socotorá, à entrada do Mar Vermelho onde os portugueses construiram um forte que dominava os estreitos.
Fico por aqui. O resto são atrocidades de todas as qualidades, muito aventureirismo, e uma dose ilimitada de loucura.
Mas, entretanto:
Membros da Al-Qaeda podem chegar aos 300 no Iémen

"Várias centenas de membros da Al-Qaeda são susceptíveis de operar no Iémen e de planear ataques comparáveis à recente tentativa de atentado contra um avião comercial norte-americano, considerou o ministro dos negócios estrangeiros iemenita Abu Bakr Al-Qirbi "


E os americanos já desenvolvem no Yemen uma guerra secreta que ameaça tornar-se na próxima Somália/Afeganistão com os aventureirismos que já conhecemos e apenas fruto de um militarismo que nem o comércio das especiarias justificaria...
Com o Obama ou sem ele, os destinos do imperialismo são inelutáveis!
Esta vai ser a nova frente de combate contra os árabes, leia-se iranianos...

segunda-feira, dezembro 28, 2009

Cavaco nas funções de coordenador do Governo e da AR

Ele ainda há coisas dignas da Revista à Portuguesa!
No despacho que promulga o impedimento da entrada em vigor do novo Código dos Regimes Contributivos, Cavaco Silva, o grande-lider, não só explica o que o Governo deve fazer sobre a Segurança Social e as contribuições, mas vai mais longe. O grande-lider avança mesmo como é que o Governo pode tentar dar a volta ao problema que ele acaba de mandar transformar em não-Lei.
Até, calcule-se, dá palpites sobre a continuidade em funções do Governo...
Um primor para a galeria da tragi-comédia-cavacal:
"4. A promulgação do presente diploma não impede o Governo de relançar, logo que considere oportuno, a discussão em torno do Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, introduzindo os aperfeiçoamentos que considere adequados e abrindo um espaço de discussão aprofundada com os parceiros sociais e com os partidos políticos representados na Assembleia da República. Tal negociação poderá, ainda, alterar a entrada em vigor de uma nova versão do Código.

5. A suspensão da entrada em vigor do Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social não exclui, igualmente, a possibilidade de adopção de providências legislativas que, antecipando algumas das reformas previstas, compensem, ainda que parcialmente, os efeitos financeiros associados à perda de receitas que adviriam da disciplina contida neste Código. Designadamente, o Governo não está impedido de introduzir na proposta de Orçamento de Estado para 2010 as alterações aos regimes vigentes que considere necessárias, submetendo-as à negociação própria da lei orçamental"

sábado, dezembro 26, 2009

Para que se entenda das causas e dos efeitos

Os americanos, ao tempo do Lyndon B. Johnson , mandaram bombardear Hanoi sob o pretexto duma inventona mais ou menos forjada e que ficou na História como Os Incidentes no Golfo de Tonquim.
Os mesmos americanos, ao tempo de Reagan, encarregaram-se de mandar bombardear a Líbia por uns alegados líbios estarem envolvidos no derrube de um avião civil em Lockerbie, no reino Unido.
A invasão do Iraque, disse o Bush, foi baseada em fortes indícios de que o Sadam possuia armas que poderiam pôr em causa a paz no mundo. Ou atacar israel...
A invasão e ocupação do Afeganistão, defende igualmente o Obama, assentou na informação de que a Al-Qaeda e os seus líderes, responsáveis pelo 9/11, estariam por lá refugiados.
Acho que podemos aguardar que os americanos se preparam para invadir e ocupar a Grã-Bretanha e a Nigéria pela simples razão de que o atentado falhado ao avião da Delta foi prepretado por um nigeriano que estudou em Londres e onde estabeleceu os necessários conctos e obteve os explosivos com que tentou o ataque do passado dia 24 pp.

Acrescentar o quê? A enorme diáspora portuguesa tem exemplos espantosos!

São notícias velhas. Isso passou-se nos anos 80". É desta forma, com genuína modéstia, que Carlos de Mattos arruma a conversa sobre os dois exemplares da estatueta dourada mais cobiçada do mundo da Sétima Arte que guarda na sua casa em Westlake Village, uma pequena cidade no extremo oeste do condado de Los Angeles, na Califórnia. "Foi há tanto tempo que já estão a ficar verdes...", atira com ironia.
É, até hoje, o único português premiado com o Óscar da Academia. Recebeu-o, em ambas as ocasiões, na categoria de "Avanço Técnico", pelo pioneirismo dos equipamentos que desenvolveu para cinema: em 1983, pela primeira grua para operar câmaras, utilizada por Steven Spielberg no mítico "ET"; e, três anos mais tarde, por uma câmara activada por controlo remoto que Francis Ford Coppola estreou em "Cotton Club".

Para contar a história de sucesso deste empresário luso-americano de 57 anos é preciso recuar até ao início dos anos 70 do século passado. Nascido em Angola mas criado entre Moçambique (onde viveu até aos 8 anos) e Portugal, Carlos tinha 18 anos quando foi estudar Economia na Universidade Estatal da Califórnia, em Northridge, no coração do vale de S. Fernando (acabaria por licenciar-se em Contabilidade).
A adaptação ao Sul da Califórnia não foi fácil. "Os dois primeiros anos foram mais complicados", admite. "A área de LA é tão imensa que era muito difícil desenvolver um sentimento de vizinhança. Além disso, a maior parte das pessoas não sabia nada sobre Portugal, as suas origens, a história e os costumes. Como me chamo Carlos, julgavam que era mexicano."

Com apenas 19 anos, juntou-se ao amigo Ed Philips e, aproveitando a proximidade dos grandes estúdios, montou, numa pequena garagem, uma empresa de equipamentos para cinema, a Matthews Studio Equipment Inc. Na época, as maiores produções estavam a sair dos estúdios para serem realizadas em diversas localizações, mas cada estúdio tinha equipamentos próprios, o que criava, por vezes, problemas de incompatibilidade. Os jovens empreendedores vislumbraram aqui uma oportunidade e agarraram-na com as duas mãos: apostaram em produzir e aprovar formatos standard de tripés, iluminação e outros equipamentos, que rapidamente se tornaram a escolha de eleição em Hollywood. O êxito foi meteórico. "Chegámos a facturar mais de 100 milhões de dólares (perto de 70 milhões de euros), empregar 460 pessoas e estar cotados na Bolsa de Nova Iorque", recorda o empresário.

Quando o telefone tocou O reconhecimento da Academia chegou na década de 80: primeiro pelo desenvolvimento da "Tulip Crane", a primeira grua para operar câmaras, passível de ser instalada em qualquer lugar. Depois com a "Cam-Remote", uma câmara controlada à distância que conquistou os principais realizadores ao longo de mais de duas décadas.

A ideia de criar a câmara surgiu depois de um operador de televisão ter morrido durante as gravações de um programa. Carlos e o sócio juntaram-se então ao engenheiro Bob Netman para desenhar e produzir um sistema de suporte para câmaras com movimentos controlados à distância. A ideia era alugar o equipamento para rentabilizar a inovação, mas os potenciais clientes acharam o preço demasiado elevado e a "Cam-Remote" não vingou de imediato.

Face à escassez de clientes, a solução encontrada passou por oferecer a utilização do sistema à NBC para a realização de um jogo, recebendo como contrapartida os créditos no final do encontro. Foi o suficiente para o telefone de Carlos tocar no dia seguinte. Do outro lado da linha, uma voz soava estranhamente familiar. Era Francis Ford Coppola, que estava a rodar "Cotton Club" e se tornaria o primeiro cineasta a usar a nova invenção. Seguiu-se o realizador japonês Akira Kurosawa, que a usou em "Ran, os Senhores da Guerra". "Gostou tanto do equipamento que me convidou a mim e à minha mulher para sermos hóspedes dele no Japão", conta Carlos de Mattos.
Uma paixão nascida por causa de Angola
As amizades famosas dentro do círculo de Hollywood não se esgotam em Kurosawa ou Coppola. De Mattos é tido como próximo de Steven Spielberg, George Lucas e até do clã Kennedy, mas é diplomático na resposta. "Todos os realizadores e produtores de excepção que usam os meus equipamentos são meus amigos, desde que sejam justos, criativos, moralmente credíveis e íntegros." A lista de clientes ilustres inclui também James Cameron: o mega-êxito de bilheteira "Titanic", como a maioria dos filmes do realizador, foi todo filmado com equipamento alugado à Matthews Studio Group. O logótipo da empresa está também em filmes como "O Quinto Elemento", de Luc Besson, "Jackie Brown" (Quentin Tarantino), "A Máscara de Zorro" (Martin Campbel ) e "Forrest Gump" (Robert Zemeckis).

Actualmente, De Mattos - que é um dos quase 6000 eleitores da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas que decide, anualmente, os Óscares - preside à CDM Interactive, que detém participações em diversas companhias, incluindo a Cinemills, pioneira no fabrico de iluminação eficiente para cinema e televisão, e a produtora Generation Entertainment.

Com ele, trabalham os três filhos, fruto de um casamento com 34 anos. Uma história que o português recorda com visível orgulho. "Conheci a minha mulher numa loja de arte, onde ela trabalhava. Temos isso em comum: ambos apreciamos a arte", começa a contar. "Comprei uns quadros e quando fui pagar ela viu o meu nome no cartão de crédito e quis saber de onde era. Sem paciência para explicar, uma vez mais, onde é que Portugal ficava no mapa, disse-lhe que era de um país estranho chamado Angola.
Para minha surpresa ela respondeu-me: 'Então é português, porque Angola é uma colónia de Portugal.' Fiquei impressionado por finalmente conhecer alguém da minha idade, e ainda por cima uma jovem tão bonita, que conhecia a história de um país tão pequeno, e para muitos californianos tão estranho, como Portugal. Contou-me que Portugal era o seu país favorito e que tinha acabado de passar lá as férias de Verão. Apaixonei-me de imediato e convidei-a para jantar. O resto é história."

Uma aposta de 700 euros

Apesar de, entretanto, ter adquirido também a cidadania americana e de ter passado mais de dois terços da sua vida nos EUA, De Mattos não esconde o orgulho de ser português. "A minha esposa prometeu-me mil dólares (cerca de 700 euros) se eu conseguir passar um dia sem falar de Portugal, da comida, da música, dos jogadores de futebol ou de qualquer outro assunto relacionado com o país. Tenho que admitir: ainda não ganhei essa aposta."

O "Embaixador de Portugal na Califórnia", como muitos o apelidam, garante que prega as virtudes da sua pátria a todos aqueles com que se cruza, de políticos a actores, produtores, empresários, amigos ou simplesmente vizinhos. Bill Clinton não foi excepção. O então presidente dos EUA convidou duas vezes o português para discursar na Casa Branca e, em ambas as ocasiões, De Mattos fez questão de lembrar as conquistas históricas do seu pequeno país.

(Texto original publicado na Revista Única da edição do Expresso de 24 de Dezembro de 2009)

Mentiras, aventuras militares e muita arrogância são o alfobre de todos os desesperados!

Se a justificação para a invasão do Iraque, está provado!, além duma total mentira, conduziu a um gigantesco erro militar, a política de alianças no Médio Oriente e as aventuras militares em curso, nada conseguem prevenir.
O monstruoso muro de mais de 700 km entre Israel e o segregado povo da Palestima, além de ser uma inutilidade do ponto de vista militar, constitui um agravo e uma provocação aos excluídos e aos desalojados. E estes contam-se por milhões que já nada mais têm a perder.
A devastação completa do Iraque, das suas infraestruturas, social e industrial, política e administrativa, militar e de segurança civil, completada agora por uma retirada militar de consequências internas e externas desconhecidas mas seguramente gravosas para toda a área, o que é que vão produzir senão mais terrorismo, mais actos de desespero?
Se acrescentarmos, a invasão do Afeganistão e a mais que provável ocupação do Paquistão, cujo custo económico-militar há muito ultrapassou a capacidade dos EUA de manter a um nível de alguma efectividade, podemos ficar descansados, o número de desesperados e dos que nada têm a perder cresce todos os dias.
Nem é preciso juntar aqui a esta lista os erros militares, as vítimas colaterais, os governos corruptos, as eleições de comédia, o tráfico e a mútua dependência da droga, o afrontamento religioso, ou a continuada justificação de uma guerra santa contra os infieis.
O quadro está completo e a crise económica internacional deve ser vista no quadro das consequências destas aventuras que vão acabar muito mal.
Principalmente para os que têm algo a perder.
E estes, são os invasores, os que levantam muros, os que enviam exércitos de mercenários, os que fazem negociatas com a guerra, os que detêm a máquina de propaganda internacional e que afinal produzem desesperados a um ritmo que já não controlam.
Um dia destes vamos ser acordados por piores notícias.
Isso é garantido!

terça-feira, dezembro 22, 2009

Parece impossível! Pensar autorizar a adopção de crianças por casais do mesmo sexo!

Tenho andado cá a remoer e hoje não me contenho:
Mas quem é esta gente que propõe a adopção de crianças por casais do mesmo sexo? Casados ou solteiros, isso não interessa.
O que interessa são os superiores interesses da criança que a sociedade tem o dever de acolher nos seus mais estremecidos princípios!
Esta gente não tem coração? As crianças precisam do conforto e da segurança que só uma verdadeira família pode dar!
Esta gente não vê como, por todo o lado, abundam os exemplos de crianças com origem em famílias amantíssimas, com tudo para dar, e que são famílias "normalíssimas"?
Estes deputados não lêem jornais e não vêem a televisão?
Hoje foi assim:

Criança internada em Lisboa


Bebé ingere cocaína em casa da avó

Um bebé de apenas treze meses está internado no Hospital D. Estefânia, em Lisboa, desde o dia 11 de Dezembro, por intoxicação com cocaína. A criança estaria em casa dos avós quando ingeriu a droga e foi a mãe que, apercebendo-se da situação quando chegou a casa, pegou no menino e o transportou ao hospital.
A família, residente na capital, tem um longo historial de antecedentes criminais por tráfico e consumo de droga. A avó, que estava naquele dia a tomar conta da criança, já esteve presa pelo crime de tráfico de estupefacientes e o pai abandonou a família, logo à nascença da criança. Há duas semanas, quando ocorreu o incidente, o bebé foi atendido nas Urgências, mas ficou internado no serviço de Pediatria Geral do Hospital, onde vai permanecer até os serviços de assistência social concluírem o processo de avaliação da situação familiar. Não se sabe a quem o bebé vai ser entregue quando tiver alta. Até agora, a mãe tem estado a acompanhar o estado de saúde do menino. Questionado pelo CM, o hospital recusou-se a prestar quaisquer declarações sobre a criança, bem como sobre a evolução da sua saúde.

Venha lá o Santana !

Levantou-se aí uma onda anti-Santana que convém observar melhor...
O PSD está num estado perigosamente terminal e, os do activo, representam o que de pior a política já produziu neste País.
Entre o Santana e o Paulo Rangel, quem preferem?
O Rui Rio ou ...?
O Aguiar Branco ou ...?
O Pacheco? O Pacheco senhores!
O Alberto João ou ...?
O Preto ou ...?
O Passos Coelho ou ...?
A Manuela ou ...?

Venha de lá o Santana que a gente ainda leva muita água a este moinho!
Pelo menos não será nunca um protegé do Cavaco ... e esse sim, é um inimigo que não vai dar quartel!

segunda-feira, dezembro 21, 2009

O Código de Cuoloco III

A guerra está a correr-lhes tão mal ( ou tão bem, dependendo do ponto de vista!) que um General Americano no Iraque, chamado Anthony Cuoloco III, decidiu levar a Tribunal Militar as militares que fiquem grávidas e mais quem as engravidou.
E puni-los, está bem de ver!
O homem é capaz de ter razão.
Claro que umas mentes mais religiosas e fundamentalistas vão querer discutir o direito à vida.
Outros, mais perversos, vão exigir uma vida afectiva "normal", mesmo no Iraque.
Uns, mais pragmáticos, vão sugerir a instauração de prostibulos para-militares, anexos a cada unidade operacional: Uns para eles, outros para elas, que todos têm direito, não é? Até porque está fora de cogitação qualquer contacto com os, ou as, autóctones...
O nome do general é que é daquelas coisas que só acontecem nos exércitos de elite... e raios me partam se não parece provocação aos militares que por opção, pelo menos os masculinos, não devem engravidar...
Vai ser interessante seguir esta história, isso vai!

quarta-feira, dezembro 16, 2009

E a CGTP nada diz?

Se proviesse num daqueles paraísos do leste, que faneceram, deixando-nos apenas os saudosos orfãos dos amanhãs cantantes, tal notícia não passaria de mera propaganda do imperialismo do capitalismo e da reacção.
Quer dizer, tal coisa era impensável numa economia planificadinha, com muita polícia política e sem perturbações de mercado...
Tavez isto explique a mudez da CGTP e aliados, sobre estas golpadas e dos prejuizos causados aos outros contribuintes...


Negócios equitativos, tá-se a ver!


Primeiro, vai-se lá explorar o petróleo numa base de 90% para nós e de 10% para os autóctones.
Depois, paga-se-lhes em notas de dólares que nós imprimimos.
De seguida, dizemos-lhes que devem investir os tais 10% nos nossos próprios empreendimentos, em solo imperial.
Isto assim é que são negócios legítimos e equitativos.
Abaixo portanto o colonialismo, a exploração , o esclavagismo, o comércio triangular, sei lá...

Las Vegas inaugura hotel em parceira com a Dubai World
Vista do hote-casino Aria, no centro de Las Vegas, que é inauguado amanhã. O Aria é a peça principal do projecto CityCenter, da capital do jogo dos EUA, no valor de 8500 milhões de dólares (cerca de 5800 mihões de euros), desenvolvido numa parceira entre a MGM Mirage e a holdind pública Dubai World, que está a tentar negociar com os seus credores uma moratória sobre o pagamento da sua dívida. Através de uma subsidária, detém alguns dos projectos inobiliários mais extravagantes do Dubai.

Já não sei se posso ficar descansado

Segundo o DN,


México: Mortos 56 jornalistas nos últimos nove anos

México, 15 Dez (Lusa) - A Comissão Nacional dos Direitos Humanos do México revelou, hoje, que 56 jornalistas foram mortos nos últimos nove anos no país, continuando a maior parte dos casos por resolver.

No mesmo período, oito repórteres desapareceram e sete delegações de jornais foram atacadas com explosivos, revelou ainda a Comissão, que acusa as autoridades de serem negligentes na investigação aos vários atentados.

Embora a Comissão não o tenha dito, os cartéis de droga são os principais suspeitos da autoria dos crimes, até porque muitos dos jornalistas assassinados investigavam o tráfico de droga, o crime e a corrupção. "
A ser verdade esta quantidade de jornalistas mortos e neste período, e comparando com Portugal, fico na dúvida. Intranquilo mesmo. É que, ou estamos submergidos no crime, no tráfico da droga e na corrupção, ou a alternativa é ainda mais horrível:
- Não teremos nós jornalistas à altura para serem mortos?

terça-feira, dezembro 15, 2009

Já vos tinha dito porque sou a favor de uma regionalização inadiável e urgente?

Comissão para o Centenário da República aprova mastro gigante em Paredes mas desconhece custos

Via TSF
O presidente da Comissão para o Centenário da República Portuguesa elogiou, esta terça-feira, a ideia da Câmara Municipal de Paredes em levantar um mastro de cem metros para suportar a bandeira portuguesa. Segundo as contas da autarquia, o mastro custará um milhão de euros, um valor que Artur Santos Silva não comenta.

Mais uma das fraudes deste Governo, no saber da OM

O ilustríssimo e prestabilíssimo bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes, dedica-se ao seu corporativismo ridículo,sempre contra o SNS, e acusa de fraude a criação da nova Faculdade de Medicina em Aveiro que irá, um dia, licenciar cerca de 40 médicos por ano, com início em 2015.
Está-se mesmo a ver que num país onde faltam cerca de 750 médicos de família, de onde emigram mais de 30 por ano, e onde se vão reformar cerca de 200 também por ano, aquela nova Faculdade será mais uma fraude deste governo do PS...
Esta gente das corporações não aprende nada?
Não tem nenhum sentido das proporções nem do ridículo?:
«Com o número de pessoas que entra nas faculdades de medicina todos os anos, o país terá dentro de quatro ou cinco anos médicos desempregados, vão ficar médicos indiferenciados, que não servem rigorosamente para nada, portanto isto é uma fraude que está a ser feita às novas gerações», considera Pedro Nunes.
http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=1447859

Ainda vamos ver os escandinavos a chupar nossas palhinhas...





"A crer na fúria legisladora do Parlamento, dentro de dois anos, a corrupção estará erradicada da face do país e, não tardará, as avançadas democracias escandinavas estarão a emular as boas práticas domésticas.

Nada que surpreenda. Perante um problema político sério - e a corrupção é-o - tendemos a optar pela solução preguiçosa: tipificam-se mais crimes, criam-se uns quantos observatórios e daqui a não muito tempo levantar-se-á um clamor colectivo protestando contra a ineficácia das leis entretanto aprovadas. Depois, já se sabe, a história repetir-se-á, com nova fúria legisladora.

O problema do combate à corrupção é que as respostas mais eficazes não só não produzem resultados no imediato como têm escassa visibilidade pública. É isto que cria o contexto para que seja possível explorar politicamente uma alegada inacção dos poderes públicos, que de facto não existe. Não por acaso, o combate à corrupção tornou-se num terreno fértil para a demagogia. Hoje, quem tenha dúvidas sobre a eficácia do caminho que está a ser seguido passa logo por corrupto no activo ou, pelo menos, em potência."
O título e a ilustração são deste blog

Um pedaço de História


As fronteiras de Angola ou as aspirações das potências coloniais, entre o romantismo, a perfídia, a arrogância e o aventureirismo militarista.

Com algum jeito, daria para vários filmes... Pode ser que um dia os Angolanos os façam!

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Os dentes da reacção

Quebrar os dentes à reacção, passando da teoria à prática, constituiu um momento de grande contradição.
Porquê?
Pela simples razão que apesar das inúmeras invocações da protecção divina...Berlusconni levou com uma réplica canónica pelas trombas abaixo! E,
Vai fazer de vítma? Vai.
Todavia com muito menos dentes...!

Editado:

Eu não dizia? A chamada "vítima", mas milagrada...
In Correio da Manhã, 15 de Dezembro:
“Não perdi o olho por um milagre”
O primeiro-ministro italiano, agredido no rosto com uma estatueta da catedral de Milão após um comício naquela cidade, no domingo, afirmou ontem que foi um milagre não ter sofrido danos irreversíveis na vista.

A justiça para alguns. A Injustiça para tantos!

Citando um recente despacho judicial:
"«… Gonçalo Amaral fica impedido – sob pena de pagar um multa diária de 1000 euros caso não obedeça – de proceder “à reprodução, comentário, opinião ou entrevista”, nas quais possa defender a tese já descrita no livro (…) o juiz decretou ainda que, daqui para a frente, Gonçalo Amaral e a editora Guerra e Paz não poderão ceder “os direitos de edição ou os direitos de autor sobre os conteúdos do livro ou de outros livros e vídeos sobre o mesmo tema para publicação dos mesmos em qualquer parte do mundo“»

Ele há coisas fantásticas, não há?

domingo, dezembro 13, 2009

Cambões e outros desmandos com etiqueta de classe social


In Da Literatura, com um forte aplauso!:

No âmbito do Caso CTT, o Ministério Público acusou 16 pessoas de gestão danosa, branqueamento, participação económica em negócio e outros crimes. Em português: acusou-os de corrupção. Em causa, a venda de dois edifícios, um em Lisboa, outro em Coimbra. Prejuízo: 13,5 milhões de euros.

Um desses 16 arguidos chama-se Carlos Horta e Costa. Foi secretário-geral do PSD durante a presidência de Marcelo Rebelo de Sousa. Foi nomeado presidente dos CTT em 2002, por decisão de Durão Barroso. Mas como, ao contrário de Armando Vara, Carlos Horta e Costa não nasceu em Vilar de Ossos, nem foi caixa de banco, nem almoça (I Presume!) com sucateiros, os media tratam-no como deviam tratar toda a gente: com respeito. Nada contra.

Lembrar a quem não se lembra: os edifícios em pauta foram vendidos sem concurso público, por decisão de Manuela Ferreira Leite, então ministra das Finanças. O de Lisboa estava avaliado em 20 milhões de euros, mas foi vendido por 12,5 milhões (o governo de Barroso queria receitas extraordinárias); o de Coimbra, que se vê na imagem, estava avaliado em 28,4 milhões de euros quando foi vendido duas vezes no mesmo dia: de manhã por 14,8 milhões, à tarde por 20 milhões. Quem denunciou a banhada foi o advogado António Marinho Pinto.
Aguardar as reacções indignadas (e os trocadilhos) dos bloggers da direita e dos articulistas anti-corrupção.
posted by Eduardo Pitta

Nota- Título e negritos da minha responsabilidade

Governo vai mesmo tributar os excessos dos Bancos

O orçamento para 2010 constitui A oportunidade para o PS se constituir na reserva moral e executiva da esquerda e de se demarcar das corporações e dos oportunismos corporativos. É necessário continuar as reformas estruturais e de comprometer nisso os restantes partidos. Quer pela participação de alguns, quer com a oposição dos que ficam a olhar o passado!

sábado, dezembro 12, 2009

Coisas que devem ser lidas

«Um partido que passou toda a campanha eleitoral a denunciar os problemas de liberdade do país prepara-se agora para aprovar a lei da criminalização do enriquecimento ilícito. Preparam-se, portanto, para dar uma ajudinha à «asfixia democrática» de que de repente se lembraram e que parecem ter já esquecido. Curiosamente, o único partido que vai votar contra é o «asfixiante».
A campanha histórica foi, retira-se, pura conversa fiada.»

Tiago Moreira Ramalho (Portugal dos Pequeninos).

TGV, Poceirão-Caia

Então não querem lá ver, a coisa não foi adjudicada á Mota-Engil....
Tá mal.
E estão no desespero os do costume!

sexta-feira, dezembro 11, 2009

A oportunidade ao disparate

Visto que uma incrível coincidência de votos fez aprovar na AR a chamada criminalização do enriquecimento ilícito, há que criticar a convergência espúria entre a extrema direita e a extrema esquerda levando de arrasto o PSD que , de facto, não sabe onde se meteu!

É ver o diz o bastonário da Ordem dos Advogados sobre este oportunismo pré-eleitoral...:

" O bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, considera que uma eventual criminalização do chamado enriquecimento ilícito "não terá qualquer eficácia prática".
"Aqueles que enriquecerem de forma ilícita vão, obviamente, dissimular o seu património, colocando-o a bom resguardo e não vão andar por aí a exibi-lo", escreve António Marinho Pinto no boletim da Ordem dos Advogados que começa a ser distribuído aos associados na sexta-feira.

No editorial da publicação - a que a agência Lusa teve hoje acesso - o bastonário afirma que a consagração legal do enriquecimento ilícito "não terá qualquer eficácia prática porque não vai apanhar os principais beneficiários desse 'delito'".

Em contrapartida, "vai seguramente incomodar muita gente, incluindo muitos daqueles que agora, ingenuamente, defendem essa medida".

"Aos arautos dessa criminalização, pouco importam os valores em causa porque o que interessa é que o povo e a turba mediática pensem que, finalmente, os corruptos vão ser todos apanhados ou então que os ricos vão ter de justificar nos tribunais (e, como tal, publicamente) a origem dos seus patrimónios. Nada mais ilusório e perigoso", refere.

Para Marinho Pinto, "a discussão em torno da criminalização do chamado enriquecimento ilícito é viciada e falaciosa porque assenta em pressupostos políticos e não jurídicos".

"É profundamente preocupante que pessoas com responsabilidades públicas (incluindo advogados) atirem lenha para essa fogueira, ignorando (ou fingindo fazê-lo) que ela, uma vez ateada, será incontrolável e acabará por queimar as traves mestras do próprio Estado de Direito", adverte.

O bastonário considera "dramático que, em matéria de direito criminal, o oportunismo político se sobreponha aos tradicionais critérios jurídico-criminais e que a voz avisada dos bons mestres de direito se tenha calado ante o turbilhão justiceiro que assola a sociedade democrática".

Segundo Marinho Pinto, "os defensores dessa criminalização não esclareceram ainda se ela abrangerá todos os funcionários públicos ou apenas os titulares de órgãos de soberania, incluindo os magistrados".

Por outro lado, eles não disseram "se abrangerá também os gestores públicos e empresas participadas pelo Estado e deixará de fora os empresários e gestores privados que tenham negócios com o Estado, com empresas do Estado ou com as autarquias locais".

Na sua opinião, "não se compreenderá que esse novo tipo legal de crime se restrinja a pessoas e não abranja o enriquecimento ilícito de empresas, fundações ou associações privadas à custa do património público".

"E, sobretudo, não se poderá aceitar que deixe de fora o 'enriquecimento' dos partidos políticos, uma vez que é notório que muitos dos actos de corrupção e de tráfico de influências, porventura os mais prejudiciais para o Estado de Direito, se destinam ao financiamento partidário e não aos bolsos dos decisores políticos", salienta o bastonário.

Marinho Pinto receia que o processo penal venha a ser usado "para todos os ajustes de contas na sociedade portuguesa".

"Não será altura de parar de mexer nas leis e começar a mexer nos magistrados e nas polícias? Não será altura de deixar as leis penais em paz e 'corrigir' os magistrados que temos?", questiona

quinta-feira, dezembro 10, 2009

Truz-truz! Is anybody there?, ou a minha mania para a repetição

Ao contrário do que a oposição diz e pensa;
Ao invés do que muitos espertos comentadores-económicos e de económicos-pensadores andam por aí a fazer crer aos incáutos, vai ser preciso em Portugal uma política de austeridade urgente, completamente séria e com consequências. Nada portanto de sindicalismos estroinas ou de irresponsabilidades orçamentais.
Isso, foi tempo! Foi parras que deram uvas.
Por esse mundo de deus, multiplica-se a venda dos aneis para a conservação dos dedos.
Da França à Grécia, da Inglaterra à Espanha e dos EUA à Alemanha. Isto para não falar da exemplar Irlanda...
Já não chega avisar a malta. Vai ser preciso aumentar os impostos, impedir os gastos ofensivos e reduzir rendimentos, qualquer que seja o preço político e a barafunda na AR.
Como eu disse em Fevereiro deste ano, e como detesto ter razão, os portugueses vão ter de fazer mais sacrifícios e de apertar de novo a cilha às bestas. Para tal vai ser preciso uma política clara de controlo dos desmandos financeiros e dos exageros dos rendimentos.
Vai ser imperioso salvar a Seg. Social, nem para isso seja preciso taxar mesmo todos os rendimentos e de cortar nas isenções. A Seg. Social é o alpha e o ómega da democracia e da sua sobrevivência.
Acabar de vez com o excesso de desempregados por um lado, e de duas outras classes de oportunismos. Os que preferem o desemprego e a economia paralela e os que, inexplicavelmente, conseguem dar conta de cinco, dez, vinte "empregos" e outros tantos salários.
E escusam os senhores professores de tentar impor mais custos aos contribuintes. Essa oportunidade já a tiveram no anterior governo e, salvo erro, cuspiram na sopa.
Aliás, entornaram mesmo o caldo!

Trinitrotolueno

Talvez seja do conhecimento geral que a diferença deste produto para o que o antecedeu na ordem dos explosivos - a nitroglicerina - é o facto daquele, de nome complicado, ter a característica de ser completamente inerte, sem risco de manuseamento e de poder até arder como se de madeira se tratasse.
Todavia esta característica pode ser completamete alterada pela acção do homem e tornar-se numa terrível arma de destruição com velocidade explosiva de mais de 7.000m/segundo, o que é cerca de dez vezes o da vulgar pólvora...
Daí a sua ampla utilização na guerra...
Pode ser então estabelecida a relação entre o inventor desta arma mortífera e o seu elevado sentimento de culpa. Alfred Nobel que enriqueceu subitamente com esta invenção de uso infelizmente tão frequente, rapidamente se tornou num benemérito destribuidor de prémios entre os quas avulta o da Paz que curiosamente fez atribuir por um comité fora da sua terra natal. Mas isso são outros quinhentos.
O que de facto importa é que hoje está a ser destinguido com o Nobel da Paz um homem que chegou à presidência dos EUA anunciando-se contra uma guerra injusta no Iraque mas que actualmente se ocupa de duas guerras;
E que, coerentemente, se opôs há dias à proibição das minas anti-pessoais.
Podemos assim discordar da lógica da atribuição do prémio.
Não podemos é duvidar que o trotil, vulgo dinamite, sirva para o fabrico de minas e de prémios ignóbeis...

quarta-feira, dezembro 09, 2009

É preciso por cobro a estes desmandos parlamentares e para lamentarmos

Estala o fraco verniz de Mª José Nogueira Pinto, e a deputada saltapocinhas e dos múltiplos empregos vai de insultar deputado do PS, numa comissão parlamentar...


domingo, dezembro 06, 2009

Sul-americanos e o PSD na corrida ao Magalhães

É mais fácil e barato importar o portátil português que fazer um de raiz. 2010 é o ano da internacionalização do minicomputador
- O líder venezuelano, Hugo Chávez, foi o primeiro dirigente sul-americano a investir no Magalhães.Depois de desembarcar em Macau e na Venezuela, o Magalhães está a caminho de conquistar a América do Sul. Há vários países interessados em importar o minicomputador produzido em Portugal e 2010 deverá ser o ano da sua explosão internacional.
Quem o garante é Nuno Martins, responsável máximo pelo Magalhães na Intel, que falou ao i sobre o fenómeno do portátil de baixo custo lá fora.
A Intel tem registado algumas tentativas de criar versões nacionais, mas Portugal foi único no mundo. Fez o que ninguém conseguiu fazer", avança o responsável, que considera a expansão do Magalhães inevitável. O governo colombiano já veio a Portugal conhecer o projecto e há interesse em países como o Chile, onde o acesso a tecnologias no âmbito educativo ainda é muito reduzido.

Todavia nada disto importa ao PSD que atira a tudo quanto mexa.
Numa decisão plena de insídia das mais rasteiras motivações e do desespero de afogados, esta defunta direcção do PSD, que insiste em procriar, de que é que se lembrou?
- Lembrou-se de exigir mais uma Comissão de Inquérito contra o Magalhães, não satisfeitos com a companha que decorreu sobre os malefícios do mini-computdor, levada a efeito pelos cabos de esquadra do costume, e cito-os para memória futura:
Maria de Fátima Bonifácio, Alberto João Jardim, Vasco Pulido Valente, Marques Mendes, um tal Nuno Crato, Medina Carreira, António Barreto, Pacheco Pereira, Mário Crespo, José Manuel Fernandes, Manuela Ferreira Leite, Paulo Rangel, Maria Filomena Mónica, mais os comentadores de plantão aos pasquins e aos telejornais, os bloguistas de serviço e todo o PCP, o CDS e o Bloco...mais não fizeram do que denegrir a iniciativa, o preço, o conteúdo, os perigos presentes e futuros, a utilidade, e a tudo lançaram mão para emporcalhar a acção do Governo e do ME, em particular.
Não se pode aceitar tudo isto à conta da legítima oposição ao Governo. Não.
A onda que se levantou contra a existência do Magalhães tem duas leituras:
A primeira é o nível de desespero político da oposição e nomeadamente do PSD.
A segunda é que esta onda espelha, em altura e profundidade, a justeza da medida do Governo. A correcção da iniciativa!
Só que, desta vez, o PSD quer envolver tudo e todos na porcaria que lhes sai da cabeça.
Querem lá saber dos empregos criados, do sucesso nas Escolas e nas famílias, ou no êxito conseguido por Portugal. Do potencial que se abre às exportações...
Para eles o único objectivo é ridicularizar o PS e Sócrates, mesmo que para tal se lancem baldes de merda sobre o País.

Menchevismo? Não, Bolchevismo parlamentar!

A posição minoritária
por Pedro Adão e Silva, Publicado em 05 de Dezembro de 2009
Esta semana, Ana Gomes, na TSF, afirmava que quem era contra a tipificação do enriquecimento ilícito, por este inverter o ónus da prova, usava "desculpas de mau pagador"; já no Parlamento, Fernando Negrão, enquanto justificava a coligação entre PSD/BE/PCP nas políticas de combate à corrupção, falava no pré-crime.

Confesso que há para mim uma diferença de escala entre os deputados entenderem-se em torno de formas de aumentar a despesa de modo incontrolável e a coligação invencível que, a propósito do justo combate à corrupção, se prepara para esmagar quem se atreva a ter dúvidas sobre os passos demagógicos que estão a ser dados. É, ainda assim, bem mais grave, à boleia do calor mediático, minar os alicerces do estado de direito do que abraçar a indisciplina orçamental.

Tendo em conta que não me é possível sugerir que experimentemos colectivamente uma distopia - que infelizmente está sempre ao virar da esquina - onde direitos, liberdades e garantias são uma miragem do passado,

recomendo que se leia mais ficção científica ou se vejam as adaptações ao cinema.
No "Relatório Minoritário" de Philip K. Dick, o departamento que geria preventivamente a criminalidade chamava-se "precrime" e nos seus livros fica claro que a capacidade de impedir crimes de ocorrerem e a criação de sociedades absolutamente seguras tem sempre uma outra face bem sombria: um universo totalitário que tende a suspender as liberdades individuais. Convém recordar que se chega a esse mundo através de uma sucessão de pequenos passos.

sábado, dezembro 05, 2009

ISTO NÃO INTERESSA NADA !

Lima de Carvalho, accionista maioritário da empresa detentora da Universidade Independente, disse hoje em tribunal que o dinheiro do estabelecimento de ensino serviu para:
• Financiar uma campanha política do PSD;
• Pagar uma campanha da Associação Sindical dos Juízes Portugueses;

• Eleger um antigo bastonário da Ordem dos Advogados; e
• Pagar viagens de deputados
.
Querem uma aposta de que o assunto morre aqui?

posted by Miguel Abrantes IN Câmara Corporativa

Acrescentar o quê?

- Investigar as contas do PSD? - daria em nada
- Demandar os Sindicatos dos Juizes? - estamos a brincar?
- Publicar o nome do benficiado? - mas ele não é há muito um dos mais famosos causídicos ?
- Saber os nomes dos viajantes e ao que foram? - Quais as contrapartidas políticas ?

Está-se mesmo a ver que são coisas que não interessam nada a ninguém. O MP e a treta da chamada Comunicação Social têm mais oque fazer do que investigar a corrupção!

quarta-feira, dezembro 02, 2009

Vamos ter mesmo eleições antecipadas ou a completa falta de sentido de estado e de oportunidade das oposições irresponsáveis

Os partidos da oposição preparam-se para aprovar uma alteração à lei das finanças regionais que vai dar mais dinheiro à Madeira.

O Estado pode ter que ressarcir a Madeira em cerca de 400 milhões de euros já no próximo Orçamento de Estado. O Parlamento vai discutir no próximo dia 11, na generalidade, uma resolução da Assembleia da Madeira, que visa repôr a primeira lei das finanças das regiões autónomas, em detrimento da actual lei, que entrou em vigor em 2007 com votos favoráveis apenas do PS.

O documento prevê uma reposição do dinheiro que a Madeira perdeu desde esse ano em transferências do Estado e, ao que tudo indica, vai mesmo ser aprovado. O documento altera apenas a parte que diz respeito à região da Madeira, deixando salvaguardados os direitos estatutários que os Açores adquiriram com a actual legislação.

Em 2007, a bancada parlamentar do PS - então com maioria - aprovou uma nova lei das finanças das regiões autónomas, que alterou a fórmula de cálculo das transferências do Orçamento de Estado para a Madeira. A aprovação da lei levou, inclusive, o presidente do governo da Madeira, Alberto João Jardim, a ameaçar demitir-se e, com isso, provocar eleições antecipadas na ilha.
----------
Ao governo resta-lhe mandar as contas públicas às urtigas e a Oposição deve, tem que! apresentar um OE equilibrado. O resto é treta!

terça-feira, dezembro 01, 2009

O Carvalho da Silva tanto desconfia de tudo que até acerta!

Depois do PCP se ter aliado ao Bloco, ao CDS e ao PSD para derrotar a entrada em vigor do Código Contributivo para a Segurança Social. Depois de se terem reunido em coligação espúria e sem um pingo de vergonha nas caras, a CGTP que tudo fez para derrubar o anterior governo e de o colar à direita, esta CGTP, braço sindical e corporativo do PCP e dos oportunistas em muitas das profissões fundamentais num Estado Social, esta organização reconhece agora que afinal desconfia também do CDS e diz que não é de confiar nele.
Ele há coisas fantásticas não há?
Não nos devemos esquecer dos participantes que constituiam há bem pouco tempo a base das manifestações do PCP:
Qual a sua origem de classe.
Como foram arregimentados para se manifestarem em Lisboa?
Quem lhes fez as faixas, e as palavras de ordem das manifs eram de quem?
Quem se esquece de ver o apoio que recolhiam junto dos mais reaccionários, dos mais ignorantes?
Já alguém esqueceu o papel da chamada comunicação social na promoção da ignorância e da desinformação quanto á reforma da SSocial, da Saúde e da Educação?
Em tudo isto a mão organizativa do PCP esteve presente e o Bloco foi atrás a recolher as canas do foguetório.
E agora vem dizer que desconfia das boas intenções do CDS??
Ingratidões, é o que é!

segunda-feira, novembro 30, 2009

O Secretário Geral da ONU pela voz de António Guterres

Ainda se recordam de como este homem foi gozado em Portugal?
Pelos mesmos que andam por aí a perorar sobre a vida do País, sobre o desempenho do Governo?
Quantas vezes é que o humilharam e desprezaram na sua ausência, e sem contraditório?
Marcelo Rebelo de Sousa,o Crespo, o Medina, Manuela Ferreira Leite, Vasco Pulido Valente, VilaVerde Cabral... deviam ter um pingo de vergonha e fazer um luto de muitos meses... até nos esquecermos deles! De vez!!!


Smoking Guns ou a "Produção de Novembro"

In Público:
"Não parecia um dia especial. Não sabe a que horas, Mário Pessoa recebeu o telefonema aflito da nora. E ele e a mulher vestiram qualquer coisa sobre os pijamas e foram a Porto Luzio. O neto, de 14 anos, tinha fugido para os pinhais. A nora estava na rua, sentada na relva, com a filha de cinco anos ao colo. Mário estava na cama: “Gritei-lhe que era a minha vergonha”, contou o pai. O homem ergueu-se, na cama, e Mário Pessoa perdeu a cabeça: “Levantas-me a mão?! Pois sou eu que vou apresentar queixa à GNR!”

Seguiram para Montemor. Manuela estava ferida e assustada, jurava que o marido ia a caminho para os matar. Não foi logo (antes, passou por casa dos pais, agarrou nas armas e incendiou os tapetes). Ainda assim a queixa nem chegou a ser formalizada: face a tanto nervosismo, o militar chamou uma ambulância para levar Manuela ao Gabinete Médico-Legal da Figueira e pediu a uma patrulha para a escoltar. Mas os tripulantes ainda não tinham quem os protegesse quando, a meio caminho, o carro de Mário se atravessou à frente da ambulância.

O condutor inverteu a marcha, de volta à GNR. Mal estacionou, sob a ameaça da arma, um dos bombeiros foi obrigado a abrir a porta da ambulância e viu Mário disparar. Manuela teve morte imediata; a filha foi ferida. Nesse momento, já eram várias as patrulhas no local. Manietaram Mário, para tirar-lhe a caçadeira. E já o tinham junto à cela quando ele sacou de um revólver e baleou dois militares, um dos quais morreu. Nesta segunda-feira será presente a tribunal"


Pode ser que desta vez como o crime passional (???) se estendeu ao corpo policial, a GNR, tão lesta no gatilho quando persegue miúdos em carros roubados, se lembre de ao menos revistar o assassino apanhado em flagrante com a arma do crime na mão,antes de o meter numa celasem algemas...
Claro que é muito mais fácil atirar a cachopos quando fogem da polícia: Estão de costas.

Há dias intevim no Jugular sobre este mesmo tema e tive de levar com alguma presunção, bastante água benta e com alguma filosofia barata. É ver:

"Ana Matos Pires
Novembro Produtivo
Mais uma que "marchou":
"Fonte da PSP, confirmou ao JN que a vítima tinha, efectivamente, apresentado uma queixa por ameaças de morte contra o homicida e que o processo estava a seguir os trâmites legais normais.".
24 comentários:
De MFerrer a 24 de Novembro de 2009 às 10:44
Portanto está tudo bem:
O assassino matou, como era previsível.
A vítima morreu, como lhe competia.
A polícia elaborou o expediente, como pode e sabe.
O Mº Público vai abrir um inquérito, como é da Lei.
Vai ser feita uma autópsia, para confirmar que a vítima continua morta.
Um dia o assassino será levado perante um juiz que lhe aplicará a justiça com todas as atenuantes, como é hábito.
Dúvidas?
MFerrer
----------------
De j a 24 de Novembro de 2009 às 13:46
«Dúvidas», muitas?

Porque no seu elenco se esqueceu da eficácia das políticas de Apoio à Vítima.
E os protagonistas dessas políticas apenas têm alguma eficácia em instituições não-políticas, sobretudo no voluntariado, porque as instituições políticas abrem às 9.00h, às 9.30h vão ao café, e às 17.00h vão apanhar o autocarro para o santo lar.

Ao longo de muitos anos da minha vida profissional no sofá do hall de entrada do meu gabinete dei de dormir e paguei refeições do meu bolso a jovens pré-delinquentes, por analogia, podiam ser mulheres vítimas dos companheiros, porque não havia onde os levar antes das 9.00h do dia seguinte.

Todos os restantes que elenca fazem o que lhes compete legalmente.
Por exemplo, que quer que a polícia faça, que se ponha a “escutar” dentro de casa das mulheres que vivem estes dramas?
Sabe, por exemplo, que muitas mulheres apresentam queixa e passados dias vão retirá-la, ou por pena ou por medo. Ou, por incrível que lhe possa parecer, por amor aos seus companheiros que, depois, as matam…?

O seu comentário é redutor, se me permite."
-------------------
Pois a única coisa que vejo reduzido é o número de mulheres vivas.
O número das queixosas e o das potenciais vítimas esse continua a aumentar.
Que tal se as Freguesias fossem mesmo obrigadas a denunciar os maus tratos a mulheres e a crianças? E se fossem considerados coniventes por falta de denúncia?
Por negação de apoio à vítima?
E se a GNR soubesse como actuar, mesmo que a vítima seja imigrante ou o agressor seja branco e bem na vida?
Desta vez sobrou para a GNR e pagaram com a vida de um dos agentes a sua ineficácia e temor/solidariedade na aplicação de medidas rigorosas ao agressor.
Vai servir-lhes de lição?

Para desentristecer dos chauvinismos e das intolerâncias com ou sem referendo...

sexta-feira, novembro 27, 2009

Estaremos a caminho de eleições antecipadas?

Desconfio que sim. Mas com uma certeza, com eleições ou sem elas.
Com as medidas, melhor, com as despesas que a oposição impôs hoje ao Governo, estamos caminho de um défice irresponsável e sem controlo.
Com esta oposição quem precisa de receitas? ou de governo ?
In RTP on line:
"A oposição parlamentar aprovou na generalidade um projecto-lei do CDS-PP que irá obrigar ao adiamento da entrada em vigor do Código Contributivo por um ano.
O diploma do CDS-PP prevê o adiamento, para Janeiro de 2011, da entrada em vigor do Código Contributivo, sendo que um projecto de lei tem força obrigatória legal a partir do momento em que entrar em vigor.

Com o adiamento da entrada em vigor do código contributivo, a Segurança Social perderá no próximo ano uma fonte de 80 milhões de euros de receita, mas, por outro lado, as empresas e os trabalhadores independentes escapam a aumentos da carga contributiva.

Ao início desta tarde a oposição aprovou, na generalidade, 11 dos 13 diplomas com medidas "anti-crise" do PSD, CDS-PP e PCP, vencendo a maioria relativa do PS, que votou contra.

Além do projecto de lei do CDS-PP para adiar para Janeiro de 2011 a entrada em vigor do Código Contributivo, foi aprovado ainda um projecto de resolução do PSD com o mesmo objectivo recebendo os votos favoráveis do PSD, CDS-PP, BE, PCP e PEV e os votos contra do PS.

Um outro projecto de resolução do BE que previa o adiamento da entrada em vigor do código contributivo foi rejeitado, com o voto contra do PS e a abstenção do PSD e votos favoráveis das restantes bancadas.

Com o voto contra do PS, e a abstenção do BE, e votos favoráveis dos outros partidos, foi aprovado ainda um projecto do PSD que altera o IRC, extinguindo o Pagamento Especial por Conta (PEC), assim como um projecto de resolução do PSD que recomenda ao Governo medidas de apoio à economia que foi aprovado com os votos favoráveis do PSD e CDS-PP, a abstenção do PCP e do BE e o voto contra do PS.

Foi também aprovado o diploma do CDS-PP para "reduzir o pagamento por conta e suspender a vigência do PEC", com o voto a favor do CDS, PSD e PCP, o voto contra do PS e a abstenção do BE.

A oposição aprovou ainda um projecto de lei do CDS-PP que obriga o Estado a reembolsar o IVA no prazo de 30 dias e outro que prevê o pagamento de juros de mora pelo Estado pelo atraso no cumprimento de "qualquer obrigação pecuniária".

Os projectos do PCP para "eliminar o PEC" e diminuir os prazos de reembolso do IVA mereceram igualmente o voto favorável de todas as bancadas, às excepção do PS.

quinta-feira, novembro 26, 2009

O Dubai afunda-se em dívidas ...


Segundo as últimas notícias poderemos estar perante uma segunda vaga de falências financeiras de dimensão desconhecida visto que ainda hoje na Bolsa de Londres as cotações dos principais bancos ingleses se afundaram para além dos 7 e 8%...
A encerrar o ano, e perante um dólar no mínimo de há 4 anos, a UE, e mesmo o Mundo podem vir a sofrer um duro golpe na tentativa de recuperação económica já em curso.
Parece que a construção de edifícios, na sua maioria destinados ao luxo asiático e à exibição da maior inutilidade, mesmo com mão-de-obra barata importada, mas financiados pelos maiores bancos mundiais, nada garante de bom ou de útil...

Pode ler-se já no Washington Post:
"DUBAI - Just a year after the global downturn derailed Dubai's explosive growth, the city is now so swamped in debt that it's asking for a six-month reprieve on paying its bills - causing a drop on world markets Thursday and raising questions about Dubai's reputation as a magnet for international investment.

The fallout came swiftly after Wednesday statement that Dubai's main development engine, Dubai World, would ask creditors for a "standstill" on paying back its $60 billion debt until at least May. The company's real estate arm, Nakheel - whose projects include the palm-shaped island in the Gulf - shoulders the bulk of money due to banks, investment houses and outside development contractors.

In total, the state-backed networks nicknamed Dubai Inc. are $80 billion in the red and the emirate needed a bailout earlier this year from its oil-rich neighbor Abu Dhabi, the capital of the United Arab Emirates.

Markets took the news badly - with the Dubai woes and the continued fall of the U.S. dollar giving investors twin worries.

In Europe, the FTSE 100, Germany's DAX and the CAC-40 in France opened sharply lower. Earlier in Asia, the Shanghai index sank 119.19 points, or 3.6 percent, in the biggest one-day fall since Aug. 31. Hong Kong's Hang Seng shed 1.8 percent to 22,210.41.

Wall Street was closed for the Thanksgiving holiday and most markets in the Middle East were silent because of a major Islamic feast

Quando é que apresentam uma medida para o aumento da Receita? Ou como ir desta para melhor:

A excitação corporativa é de tal ordem que acabará certamente por inviabilizar aquilo a que se chama o Estado Social e encaminha-se também para abalar os fundamentos do Estado de Direito.
Basta respigar hoje o DN para confirmar esta inquietação:
- A chamada esquerda, leia-se BE e PCP, exige reformas sem outro critério para além dos 40 anos de trabalho. Com descontos ou sem eles.
- Os sindicatos dos professores exigem regressar às condições anteriores a 2005 e manter todas as regalias mais as reformas aos 52 anos (!) para os docentes do 1º ciclo ( profissão de desgaste rápido) com os respectivos 2500 eurinhos mensais, por cabeça...
- Estes mesmos sindicatos, e quem os financia, querem a mais extraordinária das despesas: a que adviria de uma qualquer avaliação externa...para 130 ou 140.000 professores. A ser levada a cabo, constitui-se-ia numa nova e insuportável despesa orçamental, anos a fio...acrescida de toda a sorte de aumentos retroactivos a 2007 a que os professores dizem ter direito...mais ainda os aumentos imparáveis de carreiras planas, apenas cadenciadas pelo passar dos tempo...
- Os Srs. deputados da Nação não querem ter faltas quando faltam.
- Toda a oposição,em coro, exige o aumento das despesas públicas mas critica o governo por não reduzir o défice do lado das ....mesmas despesas, ao mesmo tempo que faz uma algazarra aos avisos de que os impostos terão que aumentar para recolocar o défice a nível europeu...
- O PSD e o seu afilhado PSD-M querem rever a Lei das Finanças Regionais. Quer dizer, querem continuar a gastar a tripa-forra, quando a tripa já há muito secou...
- O PCP quer acabar com quaisquer propinas no ensino superior. Sem mais aquelas, o PCP acha que os que fazem sacrifícios para mandar os filhos estudar devem pagar, via impostos, os estudos dos filhos e das mulheres...dos ricos!!!
- Toda a oposição duvida da eficácia da vacina da gripe A, comprada com o dinheiro de todos nós e "suspeita" que o governo comprou a mais barata do mercado...
- O Estado, quer dizer, nós os contribuites, temos de pagar os tratmentos de fertilidade a quem quer ter filhos independentemente da sua condição social e riqueza familiar.
- Esta oposição exige do governo que paguemos todos, mais e mais incentivos aos médicos, formados à nossa custa, para eles coitados, irem trabalhar para as cidades do interior...Um horror!
- Uns senhores juizes que não trabalham à borla, julgaram inimputável um assassino conjugal, pelo que processaram a famíla da defunta pelas custas do processo...
famíla essa que inclui curiosamente a mãe e os três filhos da senhora que foi desta para melhor. Agora já entendi a expressão! Ir desta para melhor!

quarta-feira, novembro 25, 2009

De pequenino...


via Pátio das Conversas
Extraordinário!

O PSD também joga à bola? Parece...


Onde é que já vimos estes golos na própria baliza?

Daniel Oliveira, os princípios furados e Kim il Sung o adorável lider


Betinho dos anos 70
Daniel Oliveira que nos habituámos a ver evoluir, dando mais na ferradura do que no cravo, abandonou-se à crítica mundana do bem-vestir ou do vestir-mal.
Conclui, de rastos, que não gosta de Sócrates porque ele nem vestia bem. Calçava pior!
Compreende-se. Nem um blaser de bombazina nem nada! Absolutamente fora de moda...
O que se compreende menos é esta crítica retroactiva aos anos 70, quando os que não tinham dinheiro para se irem vestir a Londres, iam á escola com a roupinha que tinham.
Mesmo correndo o risco de serem gozados por serem provincianos ou por serem pobres.
Daniel Oliveira não gosta do Sócrates não pelas suas políticas, que já não sabe como criticar. Não gosta dele e tenta difamá-lo pelo que vestia... há 3 ou 4 décadas...
Curiosidades dum pensador duma esquerda que tem por hábito continuar a reescrever a História, a seu bel-prazer, e em função das suas conveniências.
Porra Daniel ! isto não é a Coreia do Norte!


Ora a aí está uma curiosa forma de negociar seja o que for!

"Governo e sindicatos reúnem-se amanhã para trocar propostas sobre a revisão da estrutura da carreira docente, mas deixam já o aviso de que a reivindicação de acabar com a divisão dos professores em duas categorias não é negociável."
" Os sindicatos de professores não negoceiam a reivindicação de acabar com a divisão dos professores em duas categorias. O aviso é deixado por FENPROF e FNE na véspera do regresso à mesa das negociações no Ministério da Educação"
Via RTP on line

Sócrates e Maria de Lurdes Rodrigues tinham e têm razão. Estes Sindicatos além de não quererem qq avaliação, o que desejam é carreiras disponíveis e iguais para todos. Preocupados com o orçamento do estado? Ou com o aproveitamento dos alunos? Ou da classificação justa dos professores? Na sua divisão natural entre os bons, os medíocres e os maus?
O que move estes sindicatos é única e simplesmente a questão do dinheiro e a guerra política que o vil metal ajudaria a ganhar. Querem dinheiro e votos para os seus coordenadores.
O pessoal que se dane!
Mas pode ser que desta vez o défice fale mais alto e não haja maneira de poder ceder a tanto apetite. Talvez façam dieta. É o que espero.

Voaram mesmo os tais milhões?

E onde estão os milhões? Quem beneficiou deles? Ou desapareceram como que por magia? É que, tanto quanto se saiba, o dinheiro é uma coisa difícil de fazer desaparecer. Tem por hábito estar em contas bancárias e em cofres.
A AR já está satisfeita com o inquérito que levantou, não contra os ladrões, mas contra a supervisão bancária?
O que parece, é que mais uma vez, conseguiram desviar as atenções durante meses do principal e até conviveram nessa comissão, em alegre a amena cavaqueira com um dos principais suspeitos da roubalheira. Até lhe forneceram, à nossa custa, uns bolinhos ao lanche, não fosse ficar hipoglissémio...E, nos intervalos, foi vê-los ás risadas e a relembrar histórias comuns de outros carnavais. Oliveira e Costa foi tratado na AR não como um celerado ladrão e burlão. Foi tratado como um igual e acima de qualquer suspeita!
Destratado, insultado e desrespeitado foi o Governador do Banco de Portugal. Tudo isto no País onde o défice é já de 15.000 milhões e onde foi levada a julgamento e condenada uma velhinha que se esqueceu de pagar um chocolate no Lidl...
Os muitos que beneficiaram da roubalheira , alguns de nomeada e a ocupar elevados cargos políticos, devem estar a rir-se e a pensar que este país até tem piada. Sempre que for preciso lançar uma cortina de fumo sobre uma roubalheira, não há problema, chamam-se uns jornalistas e contam-se-lhes umas estórias de polícias, de escutas, de gravações, de papelada e de políticos, à mistura com uma justiça enredada em casos, e eles encarregam-se do nevoeiro...
Lembram-se da escandaleira que foi quando alguém chamou roubalheira à roubalheira?
Eu lembro-me!

Parece que o PSD quer mais molho! E o Juiz de Aveiro retira o tapete aos jornalistas da treta.

Espionagem Política
...e jornalistas que comem o que lhes dão...
"Comissão de Assuntos Constitucionais vai agendar hoje reunião para ministro da Economia explicar a teoria da "espionagem política" sobre Sócrates no processo 'Face Oculta'
O ministro Vieira da Silva (Economia) está disponível para ir ao Parlamento explicar o que quis dizer quando afirmou que havia "espionagem política" ao primeiro-ministro no processo "Face Oculta".
Hoje a comissão de Assuntos Constitucionais agendará a audiência, a requerimento do PSD, estando confirmado que o PS não se oporá.
O requerimento do PSD já tinha sido discutido na semana passada mas, a pedido do PS, a sua discussão foi adiada uma semana. Ao que tudo indica porque os socialistas aguardavam que, entretanto, o procurador-geral da República se pronunciasse sobre o envolvimento de José Sócrates. Pronunciou-se, ilibando-o de responsabilidades criminais, e agora, com esse "trunfo" na mão, Vieira da Silva irá à Assembleia da República. A data será hoje marcada."

Dá ideia que o PSD se agarra como náufrago a uma tábua podre e sem valia. Mais valia meterem a viola no saco não saia de lá algum dos fantasmas que o perseguem. A ele e ao seu mentor/protegido Cavaco. Uma coisa posso garantir. O PSD vai continuar alegremente o seu caminho até a uma implosão anunciada.
E, entretanto, o juiz de Aveiro lá veio desmentir mais uma das atoardas postas a circular e que constituiriam a prova irrefutável de que ele, juiz, achava boas e válidas as tais "suspeitas" de atentado ao Estado de Direito por parte de Sócrates, via sms ou de viva voz?
Nunca saberemos a "dimensão" das tais conjuras para atacar o Estado.
Com estes mastins de serviço tudo o que mexe é para morder.

Presidente da República promove assessor das escutas

Fernando Lima sobe na lista oficial
Mudanças. Na sequência do 'caso das escutas', o Presidente havia anunciado "alterações" na Casa Civil, que foram ontem divulgadas no 'site' oficial da Presidência. Ao todo, são quatro as mudanças. Fernando Lima mantém-se em Belém e ainda está mais próximo do Presidente, assessorando o chefe da Casa Civil. Ana Zita Gomes é a nova consultora para a comunicação social
Dúvidas dissipadas: Fernando Lima vai mesmo continuar na Presidência da República, como assessor do chefe da Casa Civil, Nunes Liberato. A remodelação na Presidência da República, iniciada na sequência do "caso das escutas", foi ontem tornada pública no site oficial da Presidência da República, onde o braço-direito de Cavaco aparece no topo da lista - bastante acima do posto que ocupava até ao início da polémica
Via DN
por RUI PEDRO ANTUNES
É caso para dizer que tudo se confirma e que, agradecido, Cavaco reconhece nele o melhor das qualidades palacianas: A intriga !

terça-feira, novembro 24, 2009

O PARTIDO DA GELATINA ...

Ainda a avaliação dos professores... ou isto ainda acaba mal - 2 !
"Há quem tenha da oposição uma ideia de "delirius tremens". As suas ideias movem-se consoante os interesses do momento. O PSD, nesse aspecto, quer tornar-se o partido da gelatina. Move-se de acordo com o vento, com os toques cirúrgicos do PS, e com a sua necessidade de colher qualquer migalha do poder. Como táctica de oposição é um tiro no pé.

Como estratégia, é um exercício de roleta russa. O PSD tem de se convencer que, no actual panorama político, não tem a colher para comer: é o "chantilly" que serve de alimento aos outros. Depois de ter passado anos a galopar nas reivindicações dos professores contra a avaliação, é agora o partido que trava o actual regime de avaliação. Dá ao Governo a força parlamentar e política que o Governo estava a ceder nas negociações com os professores. Os professores podem hoje dizer ao PSD: Até tu, Brutus? Tudo, claro, tem um preço. E o PSD, com esta dádiva ao Governo, já começou a pagá-lo. O resto da oposição já o tornou um alvo apetecido. Na guerra de trincheiras entre Governo e oposição, o PSD vai tornar-se o soldado que está em campo aberto. Ao tornar-se o apoiante póstumo de Maria de Lurdes Rodrigues, o PSD está a asfixiar-se de forma democrática. É uma atitude que mostra que o partido está desorientado como uma galinha tonta. Por umas migalhas de poder (que surgem depois de uma negociação) o PSD faz tudo. Ao fazê-lo o PSD tornou-se o filho bastardo do oficialismo. Sócrates deve estar-se a rir. O PSD julga estar no poder mas está fora da Corte. E não percebe isso."
Por Fernando Sobral in Jornal de Negócios

Posso enganar-me, e tudo não passar de jogos de sombras.
No entanto espero que dentro de pouco temp não estejam a suspirar pela determinação das políticas de Maria de Lurdes Rodrigues

??! Também tu Constança !??

Ainda a avaliação dos professores... ou isto ainda acaba mal!

"O PSD é hoje uma agremiação inútil de figuras menores, de ambições miúdas e de improváveis vaidades."
"De repente, quando o partido repousava em sossego, entregue à sua doce inutilidade, o PSD decidiu voltar, mais uma vez, às primeiras páginas dos jornais."
"Ciente de que poderia haver algumas dúvidas no ar, o dr. Aguiar Branco, que ameaça candidatar-se à liderança do partido..."
"Se alguma dúvida houvesse, este caso, por si só, confirmaria o caos que se instalou no PSD – um partido sem liderança efectiva, movido por pequenos ódios e enrodilhado nas mais inverosímeis intrigas, que parece ter como principal objectivo transformar-se naquilo que já é: uma agremiação inútil de figuras menores, de ambições miúdas e de improváveis vaidades. Encontrar um chefe, no meio desta balbúrdia institucionalizada, é naturalmente um feito impossível de concretizar. Só por milagre. E mesmo assim!"
Constança Cunha e Sá, Jornalista

A carne, felizmente, é mas é forte!

Bem-haja senhor padre!

Para além do desemprego, do endividamento externo e de outros males que nos apoquentam, a vida tem coisas belas: coisas de amor. O padre Rui, de 26 anos, a pastorar em Carvalho, freguesia de Celorico de Basto, mandou o sacerdócio ás favas (em carta de despedida ao arcebispo de Braga) e fugiu com a sua amada – Fátima, de 18 anos. Provavelmente o padre não deixará de amar Cristo, mas casar com Cristo não estava nos seus planos. Preferiu casar com Fátima, que tem nome de santa, mas é de carne e osso.
Por Tomás Vasques

Ainda há coisas deliciosas na vida!

Missa fúnebre e de corpo docente

Paz à sua alma!

"É fartar vilanagem! Maria de Lurdes Rodrigues, o seu projecto de reforma da Educação e a obra realizada durante quatro anos com sacrifício e enorme paciência para aturar tantos boçais (os professores têm dirigentes que são exemplares únicos de rara boçalidade) estão por terra.

Agora que caiu o primeiro tijolo é só ir desmanchando a teia de modificações que foram introduzidas num sistema caduco e retrógrado. Uma a uma podem ser desactivadas para regressarmos ao quadro anacrónico em que o ensino apodrecia, antes de Maria de Lurdes Rodrigues.

Hoje deve haver festa rija porque se acabou com o sistema de avaliação de professores e o Estatuto da Carreira Docente. Nem de perto nem de longe se erguerá, em sua substituição, outro dispositivo que permita fazer a ponderação do trabalho realizado e a distinção entre bons e maus, entre aqueles que se sacrificaram pelos resultados da escola pública e os que se espreguiçaram entre faltas, atestados e que ao longo de anos contribuíram para uma escola ultrapassada, incapaz de preparar as novas gerações para desafios e competições no universo da Comunidade Europeia. Espero que os actuais responsáveis pela Educação, incluindo o Primeiro--Ministro, nos poupem ao espectáculo degradante de ver cair devagarinho todas ou quase todas as bandeiras da reforma do ensino, enquanto duram as gargalhadas larvares dos fenprofs e quejandos e os gritos histéricos de vitória (a maior vitória à escala planetária jamais obtida por qualquer sindicato ou conjunto de sindicatos!).

Os milhares de professores que cumpriram a lei, aqueles que fizeram no terreno a reforma difícil mas que provaram que ela era possível, esses só têm de baixar a cabeça, voltar à estaca zero, viver despreocupados da vida da escola e até suportar a ‘vingançazinha’ dos novos ‘heróis’. E, se tiverem sentido de humor, ainda podem sorrir com o trabalho inglório que desenvolveram e assistir ao acto de prestidigitação que é ver aparecer num mês um sistema de avaliação e um estatuto de carreira que a anterior equipa do Ministério da Educação não conseguiu estabilizar em quatro anos. A reforma morreu.

Uma nota final para dizer que não havia necessidade de incomodar Mário Nogueira, que se mostrou agastado pelo facto de ainda ser possível activar o segundo ciclo avaliativo (a suspensão não foi aprovada) da maldita lei pois, como ele dizia, “as escolas ainda vão ter de fazer tarefas que eventualmente virão a ser consideradas desnecessárias”. É um facto, não há maioria absoluta, mas não é preciso ajoelhar.
Emídio Rangel, Jornalista

domingo, novembro 22, 2009

Traumatismos Craneanos

"Uma certa direita está muito traumatizada.
Motivo: os portugueses votam maioritariamente nos socialistas. «Há 14 anos que estão no poder» – dizem desesperados. Um homem de letras com pergaminhos firmados, Vasco Graça Moura, não é de meias tintas e diz, como quem escreve um poema: só os atrasados mentais votam nos socialistas e, de seguida, manda o pessoal assoar-se ao guardanapo. Dizem as línguas viperinas que tais desmandos se devem apenas a dores de cotovelo: Vasco Graça Moura ambicionava ocupar o cargo da senhora Canavilhas. Eu não acredito numa dor de cotovelo assim tão forte. Ele não é desses vaidosos e ambiciosos que por aí pululam. Aliás, estou convencido que Vasco Graça Moura foi para deputado europeu com o mesmo espírito de abnegação de qualquer soldado mobilizado para o Afeganistão. Uns trocos no vencimento não fazem a diferença. Agora (qualquer tema serve), apareceram por aí outras vozes – da direita, naturalmente – empolgadas contra a nomeação dos governadores civis. «O povo não o elege? Obviamente, nomeie-se» – dizem. E talvez com razão. Eles lembram-se daquele tempo de felicidade absoluta, em que Portugal era um paraíso, quando Cavaco Silva e Durão Barroso, enquanto primeiros-ministros, convocaram eleições para eleger os governadores civis. Foi, então, uma grande festa da democracia. Apesar disso, ainda há línguas maldosas que dizem que os governadores civis nessa altura foram escolhidos por Dias Loureiro, o antigo Conselheiro de Estado. Calúnias, suponho. E como estes dois exemplos, há milhares deles a «justificarem» o traumatismo craniano da direita portuguesa."
Excelente post!

sábado, novembro 21, 2009

Para ocultar o principal

Neste País, onde as 300.000 pequenas e médias empresas são dirigidas, em mais de 90% dos casos, por pessoas que não têm mais do que o 8º ano..., e que na maioria nunca pagaram qualquer imposto...

Num País onde já há mais de 10% de desempregados e mais de 40.000 crianças negligenciadas e institucionalizadas,
Onde, nos próximos anos mais de metade dos desempregados vão continuar a não encontrar o que fazer e o número daquelas crianças a aumentar...
Aqui onde o investimento privado tem que ser necessáriamente limitado, inconsequente e apenas focado na prestação de pequenos serviços e de produtos de fraco valor acrescentado,
País este onde o défite das contas públicas é já superior a 8%,
Onde a "pirâmide" etária há muito abandonou a forma cilíndrica e já é de novo uma pirâmide, mas invertida...,
Cujo ordenamento do território e qualidade dos solos, há séculos, se encontram de costas voltadas para a realidade mas que importa mais de 85% do que consome...,
Neste extraordinário País quais são as prioridades?
Quais os principais assuntos que preocupam os portugueses, e os seus representantes na nova AR?
Será a Avaliação dos Professores e o seu estatuto de carreira?
Pode a AR passar semanas a "moer sem grão" esta história sobre os professores, que por acaso são a classe de empregados que mais cresceu nos últimos dois anos e que vai obter mais 30 ou 40.000 empregos nos próximos três anos? (extensão do ensino obrigatório!)
E esta AR, paga a peso de ouro pelos contribuites, atreve-se a passar o tempo a destruir as leis ali aprovadas pela maioria anterior? Sem outra visão que não seja a retaliação política e a busca da ingovernabilidade?
O principal será mesmo a intrigalhada pseudo- jurídica a tentar enrodilhar os passos ao Governo? Impedir que exerça a governação para que foi eleito?
Poderemos admitir que um justicialismo de sarjeta imponha a inversão do ónus da prova, cavalgue impunemente o crime da violação do segredo de justiça, ou promova julgamentos sumários na praça pública e nas páginas de pasquins?
Ou devemos submeter a referendo o casamento entre pessoas ?( não me esqueci de mais nada!)
Ou se há pessoas que podem adoptar crianças abandonadas e haverá outras, com iguais qualificações, mas que devem ser impedidas de o fazerem?
Serão estas as grandes prioridades para o País?
Ou estamos todos a permitir ou a colaborar para ocultar o principal?

segunda-feira, novembro 16, 2009

Nada importa ao Pacheco para além de assassinar Sócrates


JPP, o reconhecido filósofo e ainda treinador do PSD, justifica-se e explica o que é a perfídia como arma de assassínio político.
A verdade factual não o interessa, o respeito pelas leis é questão de somenos.
O que realmente conta, o que sustenta a sua elaborada desconfiança é isso mesmo: a desconfiança.
Ele pensa ao arrepio da lei. Já mandou às malvas a presunção de inocência. Uma maçada essa coisa do ónus da prova ser da responsabilidade dos acusadores, da polícia e do Mª Público.
O que o move, diz, é o nosso bem-estar e a defesa da democracia, uma abstracção sem conteúdo e sem garantias gerais...
O homem desconfia, mas insiste estribado em factos por comprovar ou já desmentidos.
E no seu desespero, regressa como mariposa à lâmpada, que o há-de incinerar.

Mas tal não o demove, nem lhe interessa.

Como na fábula do lobo e do cordeiro, se a culpa do Sócrates não é a má governação, coisa sem qualquer importância lá do alto da sua insuperável análise, JPP reduz as críticas ao carácter de Sócrates.
Logo, qualquer boato que venha emporcalhar o nome do Sócrates, serve para manter o lume brando da insídia, da perfídia e da dúvida sistemática.
E, emfabulando, se não foi o Sócrates, foi um membro da sua família ou um dos seus "amigos". Nomeadamente os passados, os presentes, e os futuros.
Quer manter este lume da desconfiança, baseada em não-factos, ao ponto de, pela via da ameaça - calcule-se! - anunciar-nos os perigos que corre a democracia!

Prefere outra, onde a inversão do ónus da prova seja da responsabilidade do justiçado e o segredo de justiça não passe de prerrogativa de alguns: Os do seu partido!
Para Sócrates a receita que defende é simples: Tribunal popular e, se possível, conduzido na tv e sem contraditório!


domingo, novembro 15, 2009

A relação entre a realidade e a fantasia dos que deviam respeitar a Justiça

«Já não bastava mais uma polémica com o primeiro-ministro. Não era suficiente termos um Presidente da República fragilizado. Também era necessário que a sociedade portuguesa se confrontasse agora com as divergências públicas entre o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e o procurador-geral sobre as certidões do "Face Oculta"!
Tudo isto parece uma tragédia de fim de regime, de consequências imprevisíveis.
Além do mais, no terreno, os administradores da justiça estão notoriamente empenhados em devassar, de novo, os processos que deveriam defender e investigar de forma recta e sem mácula. » [Diário de Notícias]

sábado, novembro 14, 2009

ÚLTIMA HORA : PGR FAZ COMUNICADO SOBRE ESCUTAS

"De acordo com o comunicado, em seis das escutas transcritas e enviadas em Junho e Julho pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Aveiro para a Procuradoria, intervinha o primeiro-ministro."
No despacho do Senhor Procurador Coordenador do DIAP de Aveiro e no despacho do Senhor Juiz de Instrução Criminal sustentava-se que existiam indícios da prática de um crime de atentado ao Estado de Direito", continua.
Depois de analisar as certidões, Pinto Monteiro entendeu que essas suspeitas não se confirmavam e remeteu as certidões para o Supremo, a quem questionava sobre a validade das mesmas escutas.
Pinto Monteiro confirma que, a 3 de Setembro, Noronha do Nascimento julgou nulas as escutas ao primeiro-ministro e ordenou a destruição das mesmas.
O procurador-geral da República diz que recebeu mais seis certidões em Setembro e em Novembro e que nelas havia cinco conversações que respeitam ao primeiro-ministro.Pinto Monteiro finaliza anunciando que, "após análise global será, até ao fim da próxima semana, proferida uma decisão".
O procurador-geral da República "reafirma, tal como sempre o fez, que ninguém, designadamente políticos, poderá ser beneficiado em função do cargo que ocupa, como não poderá ser prejudicado em função desse mesmo cargo, devendo a lei ser aplicada de forma igual para todos

sexta-feira, novembro 13, 2009

A receptação e revenda de bens evidentemente roubados deixou de ser crime? E quando foi isso?

Retirar de um Processo o que lá está guardado não é o mesmo que assaltar um cofre e dele retirar valores que, pertencendo a outrem, só podem ser "adquiridos" pela manha, ou pela força ?
O Código Penal não prevê essas apropriações a que chama roubo e assalto, com as agravantes do estado de necessidade das vítimas e, ou, do assalto ser feito por escalada, à noite, com prejuizo material e moral dos legítimos proprietários dos valores?
Prevê isso e muito mais.
Também contempla o crime de receptação de mercadoria e bens roubados a que acrescenta as agravantes da formação de quadrilha e da associação criminosa.
Aqui chegados, porque raio são os próprios magistrados a assaltarem os Processos e a venderem-nos a troco de benefícios que seria bom inquirir?!
Ficam ainda de fora os últimos beneficiados: Os mandantes da operação e que beneficiam directa e indirectamente da revenda do material retirado dos Processos, e que tem valor de uso para os fins da venda de jornais, o aumento das audiências, logo, para o incremento das receitas da publicidade e da manutenção da boa vida de biltres que aí acamparam.
Ainda por quanto tempo?

Sócrates manda-os dar uma volta !

Sobre o teor das suas conversas telefónicas com o ex-ministro socialista Armando Vara, arguido no processo Face Oculta, Sócrates deu a seguinte resposta:

"Era só o que faltava que agora me pusesse a comentar conversas que tive com pessoas amigas ao telefone e, principalmente, as versões que um jornal diz que eu tive nessas conversas".
Falta agora responsabilizar esses pasquins pelo lixo que lançam sobre todo o PS. Haverá algum tribunal para isso, ou é só para as outras coisas...?

Em sexta-feira 13 a economia portuguesa cresce mais que o resto da Europa

O Instituto Nacional de Estatística informou que no terceiro trimestre do ano a economia cresceu 0,9%. No trimestre anterior tinha crescido 0,3 por cento.
...isto com mais de 500.000 desempregados...
Criem-se mais 250.000 empregos, o que é possível em dois anos, e a economia vai disparar para os 3 ou os 4%.
Assim seja possível continuar a lançar os fundamentos do investimento público em obras verdadeiramente estruturantes do tecido produtivo nacional.
E que a caravana não pare aos primeiros latidos...

Nota breve 1: Parece que a notícia não caiu muito bem em certos círculos maisexigentes...
Nota breve 2 : Olha, paciência!