quinta-feira, julho 10, 2008

A Sonae/Público de cabeça perdida

Que a Sonae deu ordens aos seus escribas para levar a efeito uma campamha para fragilizar este governo,é por demais evidente
Que essa campanha reveste múltiplos aspectos também já tínhamos visto
Mas que tenham "descoberto" esta senhora doutora para vir dizer estas pérolas é que custa a acreditar:
«(...)[U]m país civilizado tem de garantir uma boa educação básica a todos os seus cidadãos (é isto que realmente significa a igualdade de oportunidades), preservando as universidades para as suas elites intelectuais. Aqueles que argumentam que uma expansão acelerada do Ensino Superior é um instrumento de democratização, ou de crescimento económico, estão a enganar-se a si próprios e, o que é pior, aos outros».
Maria Filomena Mónica, dixit
E disse ainda :
«O que o 25 de Abril fez aos filhos dos pobres foi tirar-lhes a única hipótese de eles poderem ascender socialmente».
Que os desígnios da Sonae são insondáveis, já sabíamos. O que ficamos é a saber que MFM supera em atraso e em reaccionarismo a própria Igreja Católica, que abandonou faz tempo esta filosofia da miséria e dos pobres reconhecidos!
Isto foi a mãe de toda a Legislação Fascista e Colonial. É ir ver a Constituição de 33, O Acto Colonial ou a Legislação sobre o Trabalho Indígena...
Eu pergunto-me o que é que a chamada "esquerda" do PS diz destas afirmações da MFM que integra a SEDES...
Dirão alguma coisa?

3 comentários:

AL disse...

Amanhã saem as notas dos exames do 9º ano. Prepare-se para mais um "moilgare de Lurdes"! O Governo que tanto elogia irá certamente colher os louros das provas que plantou. Pode ser que me engane mas acho que vamos ter médias no país como nunca tivémos. Tudo claro à custa da política ministerial e não do facilitismo das provas...

Diogo disse...

É extraordinário, realmente. A Maria Filomena Mónica nasceu no tempo de D. Miguel. As elites, diz a menina! Em 2008!

MFerrer disse...

É esta gente que quer privatizar a Educação, a Saúde e a CGD. para esse fim qq método serve. o que interessa é a sua manutenção como poderosos e como "elite" mesmo que só digam bacoradas e que Portugal seja em todo o mundo civilizado considerado como uma má anedota sobre os ...portugueses.
Somos menos considerados lá fora na emigração do que os turcos, os romenos, os malteses...
É escolher o que queremos ser daqui a 20, 30 anos!