sábado, julho 23, 2005

E, se por acaso se enganam é sem querer!

Como prova da minha boa fé e grande compreesão aqui transcrevo o desmentido que a Rádio Renascença acaba de nos proporcionar.
Isto senhores é jornalismo sério! Do melhor!


"Por lapso, a edição online da Renascença noticiou que o novo ministro das Finanças acumulava o salário de presidente da CMVM com uma pensão de administrador do IPE.
21/07/2005
Pelo facto pedimos desculpas ao ministro das Finanças e aos leitores


Agora, só não entendo de que facto pedem desculpa:
- Se pedem desculpa por noticiarem, ou
- Se a pedem por ser uma rematada mentira caluniosa

5 comentários:

VDF disse...

Não é "sítio" por onde eu costume andar. Mas, dada a tua notícia, fui lá ver o que é que eles tinham dito. Realmente, está lá o "Por lapso, ...", mas já não está a origem do lapso. É chato, porque eu gostava de ler a dita, já que só a ouvi, numa outra estação de rádio ou de tv.
Em contrapartida, encontrei outra notícia sobre o ministro em causa, e essa é que me deixou perplexo a acreditar na confirmação do MF.
Então o senhor professor esqueceu-se, ou não sabia, ou não quis entregar a declaração de IRS desde o ano 2000 ? Ou estava à espera que o TC o avisasse ?
E se um de nós não o fizer à espera que o TC nos avise, também agimos de boa-fé ?
Não estou a insinuar nada, só estou a querer um esclarecimento.

MF disse...

Não meu caro, não é isso. A declaração não é de IRS, é de Património de detentores de cargos políticos ou equiparados. E é facultativa desde que no ano a que se refere, não tenha havido alterações ao mesmo património. Logo não há falta. Mas agora terá que a fazer dentro de 30 dias n aqualidade de ministro e caso tenham ocorrido alterações significativas fica sujeito a multa e a juros por ausênciaa de declaração. Capice ?
Se assim não fosse quem calaria os arautos da direita? E olha, eles estão assim pro murchito...
Ele há anos melhores pra essa safra!

Anónimo disse...

MF:
Puxa! Isso é que é ser rápido no gatilho... da resposta.
Deve ter uma belo ficheiro de legislação.

Hasta la vista!

Trée disse...

Großes blog. Mach weiter so. Schauen Sie vorwärts zum Ablesen mehr.

VDF disse...

A questão levantada pela notícia era a declaração ser devida a partir da altura em que o actual MF foi nomeado para presidir a um organismo público.
Esquecimentos, todos temos: o Judas, em Cascais, o Isaltino, em Oeiras, e tantos mais. (A propósito, já há quem diga que para ganhar eleições autárquicas é bom estar indiciado na justiça por corrupção.) Volto a referir que nada tenho contra o professor.
Só espero que ele tenha coragem para se opor aos Coelhones e quejandos dentro do PS. E aí, a ver vamos.
Mas há outro assunto, mais "quente", que ainda não comentaste: os candidatos "presidenciáveis".
Abracinhos.