terça-feira, agosto 09, 2011

A explicação das coisas simples.

Interessante o que se passa em Inglaterra, o que já se passou na Grécia, e se vai passar por esse mundo de deus! Interessante o que se passou em LA aqui há uns anos, ou o que se passa na Líbia onde as excelentes bombas inglesas e americanas desmantelam as infraestruturas do País e matam tranquilamente os civis que ainda sobram...e que não atacaram ninguém...Ah, mas as minhas desculpas, estava a falar sobre a Inglaterra, a tal do governo da direita que corta subsídios aos mais carenciados, os reforça aos bancos e às sociedades da especulação. Ora estas actividades "para-sociais" não podem merecer menos do que o nosso apoio... Já a malandragem que vive em guetos, separados pelo tom da pele, uns mais desempregados que outros, uns mais claros do que outros, uns que ainda detêm algum capital e possuem lojas - também quase todos duma outra mesma etnia! - e os restantes, apenas com vontade de consumir, que é para isso que há cidadãos!: Para consumir e para pagar impostos, que depois são devidamente canalizados para os que deles não precisam, mas que são quem está no poder, é que é a tal justiça social e a tal "força da Lei"? Claro! Andava a ver se entendia e penso que foi desta!: Cada macaco no seu galho! Os desempregados - essa corja! - devem ser desempregados assumidos, venerandos e obrigados, felizes por viver de esmolas disfarçadas e das sobras dos serviços sociais; os serviços sociais devem ser progressivamente reduzidos e encerrados, que isto de alimentar malandros tem limites!, e a polícia deve aparecer a fazer rusgas, aplicar a "força da Lei" e proteger a propriedade, esse novo Deus de toda a Sociedade, tal como deve estar organizada! Tenho a impressão que além de ter entendido como funciona a coisa lá pelo reino de Sua Majestade coroada, onde se casam as princesas com os príncipes, rolam em charretes, passam de RR, e dá tudo na TV, também percebi a razão dos miúdos as roubarem: Desconfio que é para poderem ver os próximos casamentos reais...Um gajo pode ser pobre, desempregado e gatuno e ser monárquico, não é?

3 comentários:

Rosário Coimbra disse...

Subscrevo, Manuel. O Estado prestador de serviços em demissão não tardará, por este andar, a esvaziar-se. Esvaziado das suas funções, será um triste Estado de paredes meias com o autoritarismo de um regime de partido único, reduzido à "prestação de serviços" de segurança.

carol disse...

E por cá stamos a caminho das mesmas ideologias. Só não temos princesas e príncipes. Temos o Cavaco e a Cavaca e o Coelhinho da Páscoa...

João Pedro disse...

Claro que pode: os Reis são muitas vezes o único sinal de civilização e abrigo. e recorde-se que esta mesma Rainha trabalhou como enfermeira na Londes da 2ª guerra, que o seu pai se recusou sempre em abandonar para local mais seguro para mostrar que havia homem ao leme e que não deixava o povo na hora mais necessária.