sábado, agosto 27, 2011

A Religião, a IVG, o Poder e as Mulheres, meia dúzia de ideias

A Cência foi impedindo, as chamadas religiões, de se imporem apenas através da interpretação dos fenómenos naturais e para os quais o comum dos mortais não encontrava explicação: As Estações do Ano, o aspecto visível dos fenómenos astronómicos, os desastre naturais, as doenças endémicas e sobretudo a vida a e a morte! Esse foi o barro com que construiram os seus edifícios teológicos.
Uma vez obtido o estatuto de "intérpretes do desconhecido" passaram a dispor da arma ideológica capaz de explicar e justificar o poder, a propriedade, e a guerra, e a eles se foram sempre adaptando e sustentando.
E, se para a "explicação" dos fenómenos de origem desconhecida, podiam utilizar as mais variadas justificações, quando se passou à fase da acumulação, do poder sobre populações inteiras, para lhes cobrar impostos, e para formar exércitos e fazer a guerra, essas explicações foram sendo cada vez mais e mais próximas do quotidiano, do odio ao diferente, ao deficiente, e maxime, às mulheres de cujo poder tanto desconfiavam...A actual luta contra o IVG não passa do afloramento do mesmo receio que ainda impede a ICAR de as tratar como iguais - e faz parte da panóplia das armas de subjugação de uma grande parte da população, em favor da restante. A "situação da mulher" é coisa que pouco importa, e aí reside ainda o medo patológico do seu poder gerador de vida: Uma inaceitável concorrência com as "capaidades divinas"...e que "deve ser", pelo menos, controlada e submetida aos ditames que só eles conhecem. Isso deu origem a todas as perseguições do passado, ao Malleus Maleficarum, à caça às bruxas, e hoje, à pura e simples discriminação da mulher. No actual Paquistão e Afeganistão ainda se reparam os crimes de uma tribo sobre a outra, com a oferta de certo número de mulheres e de gado, de acordo com a gravidade da ofensa...
Todas as religiões tiveram como fundamento a ignorância e mantiveram-se à custa da justificação do poder de alguns. Se para esse objectivo foi necessário, prender, torcionar, queimar vivo ou votar ao ostracismo, isso foi apenas o preço a pagar pela acumulação e pelas delícias da propriedade, incluindo o uso sexual das mulheres..."sempre que necessário".
Nota: Nas últimas escavações em Lisboa no que resta de um convento Carmelita, a única peça intacta é um vaso chinês do sec XIV com excelentes ilustrações de sexo explícito e bastante imaginativo...

1 comentário:

carol disse...

Vá-se lá saber porquê...