quarta-feira, setembro 03, 2008

Isto ainda acaba mal!



  • Diz o Jumento "Ladrão, amigo, os magistrados estão contigo", e explica bem porquê!

  • Cavaco Silva apela na Polónia a mais investimentos portugueses ...naquele país

  • Em Portugal, o Presidente do CDS, partido com assento parlamentar que come à mesa do Orçamento, que compra submarinos quando se apanha no Governo, e que para justificar um milhão de Euros de entradas nas suas contas, emite 4000 recibos falsos - cuja investigação dá em nada - esconde do País e dos seus próprios apaniguados, que o seu restante vice-presidente se demitiu, faz um ano, e continua a fingir que ele está em funções.

  • Os dirigentes sindicais dos magistrados juizes e do MP fazem de conta que a Lei do Pº Penal é que é a culpada da onda de assaltos e de crimes violentos. Dando para isso as mais hilariantes entrevistas a tudo quanto seja canal de desinformação.

  • Entretanto um Tribunal Superior considera que a prisão de Paulo Pedroso foi um Erro Grosseiro e manda o Estado pagar-lhe 130.000 €. de indemnização. Esta notícia dá origem à mais repugnante 1ª página de um jornal em Portugal. Ver acima. Nem nos jornais mais sensacionalistas e despudorados já se viu insinuação semelhante. Ou mais torpe! Acho que o Paulo Pedroso tem direito a outra indemnização por parte da Sonae/Público. Agora já se percebe melhor quem estaria por detrás da campanha contra o PS, à época...e quem é que se sente agora fxxxxx. Repugnante ! Social, politica e humanamente!

  • O professor de Felgueiras assassino já condenado a 20 anos de cadeia, pela morte violentíssima de uma sua ex-companheira, , vai ser libertado por excesso de Prisão Preventiva ( pag 16, DN de hoje)

  • Diz o Público que os roubos a bancos desceram relativamente a 2006 ( menos 31 casos) mas que subiram em relação a 1994 ( mais dez casos). Porquê em relação ao que aconteceu a 14 anos de distância? Em que ficamos? Há ou não há uma onda avassaladora de assaltos?

  • A FENPROF/PCP/CGTP grita e barafusta que 40.000 "professores" ficaram no desemprego e o 1º Ministro vem explicar que foram colocados todos os professores que as Escolas pediram...e que o Estado não pode recrutar quadros de que não necessita.

3 comentários:

Jorge disse...

O primeiro Ministro não explicou disse taxativamente “o tempo da facilidade acabou” acha que alguém que fez precisamente o curso devido a facilitismos venha agora manifestar tamanha insensibilidade e hipocrisia . Não bastava dizer "lamentavelmente não temos lugar para todos". É por essas e por outra que Portugal não há-de passar da cepa torta Cumprimentos

mdsol disse...

A capa de "O Público" é inclassificável! Acho eu...
:))

Anónimo disse...

Os portugueses são os reais culpados da situação em que o país se encontra porque não são capazes de "dar um pontapé no rabo dos políticos que temos". Eu não me revejo em nenhum dos partidos do panorama político português, da extrema direita à extrema esquerda: os primeiros, apesar de falarem agora na questão da criminalidade tiveram uma política igual à que o actual Governo seguiu até agora, e, para desviar a atenção, fala muito na violência doméstica (que até mudou drásticamente, para melhor, no pós 25 de Abril); os outros, os de esquerda, têm o complexo do excesso de segurança e preferem a anarquia actual. Devem ter ficado traumatizados pelo anterior regime e pela perseguição política. Do chamado "garantismo" que a lei portuguesa faculta beneficiam apenas os poderosos e os criminosos experientes. Falam também muito na tal questão da violência doméstica.

Uma coisa é certa apenas mais polícia não resolve nada se não tiver autoridade para actuar eficazmente e isso representa por vezes ferir e matar alguém.

1.º) Os polícias são homens e como tal podem falhar. A polícia do Rio de Janeiro tem tido bastante sucesso nas suas investidas nas Favelas mas tem morrido muita gente: criminosos, polícias e outras pessoas apanhadas em fogo cruzado. É assim que a pouco e pouco a polícia vai recuperando zonas onde já não se aventurava e que estavam abandonadas pelas autoridades: ali quem manda(va) são(eram) as máfias.
2.º) Se as leis continuarem tolerantes como estão agora também não há nada a fazer. A polícia continuará a prender e os juízes a libertar de imediato. Mesmo que os criminosos venham a ser sentenciados não passará muito tempo até que voltem à rua e à anterior actividade.

Ainda não há muito tempo quando se alertava para o rumo perigoso para onde nos dirigiamos e falavamos que começava a haver muita "INSEGURANÇA" no país os nossos políticos recusavam a evidência e respondiam que havia sim "UM SENTIMENTO DE INSEGURANÇA". E agora?

Zé da Burra o Alentejano