sábado, outubro 18, 2008

A razão do atraso e o seu preço

Ensino Secundário tem oito alunos por professor
É melhor rácio de alunos por professor dos países da OCDE

"Mais de 95% dos gastos com a educação no Básico e Secundário em Portugal são com o pessoal, especialmente com os docentes. Todavia, o bom número de alunos por professor não tem reflexo na dimensão das turmas.
O melhor rácio de alunos por professor dos mais de 30 países analisados num relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), relativo ao ano de 2006, pertence a Portugal. Segundo o documento ontem divulgado, no Ensino Secundário, temos um professor por cada oito alunos inscritos, enquanto que os Estados Unidos da América têm um docente por cada 16 alunos, a Alemanha um por cada 15 e a França um por cada 12. O México é o país com o pior desempenho com perto de 30 alunos por cada professor a tempo inteiro."

Ora não parece que a compreensão desta realidade tenha sido assimilada pelos sindicatos de professores.
A isto chama-se investimento de baixo retorno. Ou retorno negativo, ou atirar dinheiro para cima de problemas, sem atender aos resultados obtidos.
Por outro lado são os sindicatos que mais se esforçam pela manutenção deste desperdício e deste investimento a fundo perdido.
Já era tempo de se perguntarem porque razão o Contribuinte deve continuar a pagar por um serviço que eles manifestamente não prestam.
Não podem pois continuar a fazer de vítimas quando as vítimas são as nossas crianças, o baixo nível de competências adquiridas e o enorme abandono escolar.
Tudo o resto, as greves, as recusas em aceitar reformas, os insultos a quem defende a Escola Pública, se muito nos dizem sobre a fraca compreensão deste sindicatos e destes professores, muito esclarecem sobre a cegueira que colocaria em causa a continuidade da Escola Pública e da manutenção dos seus próprios empregos.

1 comentário:

TG disse...

Vê-se bem que você tem assimilado acriticamente toda a propaganda que o ME tem conduzido.
Em primeiro lugar, o que é que lhe diz esse rácio? Que os professores têm poucos alunos? Errado! A maior parte tem para cima de 100 alunos. Será que lhe diz que as turmas têm poucos alunos? Errado! A maior parte das turmas tem para cima de 20 alunos, sendo que este governo ordenou que se aumentassem ainda mais as turmas. Depois, nesse número estão incluidos todos os profs (como é o caso daquela «sra» da DREN)e não só aqueles que dão efectivamente aulas. Assim, a divulgação desse número só pretendeu uma coisa: criar a ideia de que há profs a mais na escolas por forma a surgirem reacções anti-profs como a sua.
Ou seja, o que é que está em causa nestas reformas todas do ME? A melhoria do ensino? Não. Apenas e tão só gastar menos dinheiro. Há um desinvestimento deliberado na escola pública e que vai levar à sua degradação (que já está a dar-se, aliás). Basta ver que medidas como as novas oportunidades não passam de um embuste que não qualificam ninguém, mas que contribuem para «boas» estatisticas» e para se gastar menos dinheiro - porque um ensino de qualidade é sempre mais caro.
Mas você tem «razão» numa coisa: as maiores vitimas do que este governo está fazer são as crianças às quais é negada a possibilidade de terem um ensino exigente, em troca de diplomas (e de computadores) e de uma escolaridade garantida logo à partida (qualquer dia é logo à nascença, pois as ordens são para passar toda a gente), mas que não expressam competências nem conhecimentos realmente adquiridos.
Num futuro mais ou menos próximo só frequentarão a escola pública os pobrezinhos, porque quem tiver dinheiro para isso irá colocar os filhos num ensino privado que garanta uma educação de qualidade. Pode-se dizer então que o plano deste governo foi cumprido: demitir o estado de prestar o serviço da educação, que fica assim mais liberto para canalizar o dinheiro para outros fins, como salvar bancos privados da falência.
Mas claro, nessa altura, os grandes responsáveis pelo mau ensino continuarão a ser os profs, até porque as Lurdes e os Sócrates da nossa praça estarão a gozar de um qualquer cargo bem remunerado (o Coelho e o Vara que o digam) por reconhecimento da sua contribuição para a causa financeira.
Duvido que você tenha filhos em idade escolar, porque se os tivesse não dizia o que diz. Teria que estar preocupado com o rumo que as escolas estão a levar, nomeadamente com o aumento do facilitismo. Portanto, só posso concluir que quem por aqui anda cego é você. Ou, se quiser, anda com os olhos demasiado abertos e atentos à propaganda deste governo.