sexta-feira, março 11, 2011

Más notícias para a geração-à-rasca-pra-consumir, 2

Os nossos excelentes jovens, que tudo tiveram, e que exigem continuar a consumir, e a ter empregos garantidos..., que sofrem realmente com a exploração dos tubarões*/** que se apoderaram entretanto de todos os negócios fáceis, da grande distribuição, da banca, e das empresas monopolistas, tenham paciência, digam lá,

- Qual o modelo de telemóvel que têm no bolso? E quantos tiveram nos últimos 3 a 4 anos?
- Como é que se deslocaram, anos a fio, entre a casa e a faculdade?
- Qual a marca dos jeans que usam?
- Onde foi que passaram as férias dos últimos 3 anos?
- Com que idade é que os paizinhos e mãezinhas se reformaram?
- Quantos são os carros da família?
- As casas de férias e os montes no alentejo?
- Play Stations? 3Ds?

Digam lá!

Confessem: Isto não está para mais aldrabices nem choradeiras sobre as dívidas que eles e as famílias acumularam e sobre o consumo desenfreado que protagonizaram!

Não acreditem em loas, nem venham para a rua gritar que haverá qualquer outro Governo a proporcionar-vos essas e outras mordomias...

* tubarões, com assento permanente frente às câmaras de televisão, encarregadas de exigir facilidades ao crédito bancário e o endividamento exponencial das famílias, das Empresas, da Banca e, por fim, de toda a Nação!

** tubarões, os milhares com vários empregos e outras tantas reformas, tubarões dos turbo- empregos e das turbo-regalias que vos disseram que consumir seria excelente e bastante para a felicidade ?

3 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Acima de tudo, são mal agradecidos!
Acusam os pais de falta de solidariedade intergheracional. Vão bugiar!

audiencia da tv disse...

muito bom o texto os jovens de hoje en dia so pensan en si proprio
estou te seguinto ta muito bom o blog adorei se quiser seguir o meu agtadeço
tenha um bom dia abraçosss
http://audienciadatvrealtimes.blogspot.com/

T Margarida Azevedo disse...

Não é uma questão de mal agradecidos.
Mas há excepções á regra.O modo de vida nem sempre é igual e sim, estou assustada mas não ponho as culpas há 3 ou 4 anos atrás.Foi bom ter recebido, há 15 anos,muito dinheiro da União Europeia e ter sido mal conduzido e para destino incerto.... como nós temos um destino incerto