quarta-feira, março 30, 2011

Passos em falso...

Em desespero de causa, depois de haver prometido um novo programa de salvação nacional, afinal o homem só pretende usar uns esparadrapos para as nódoas negras resultantes das malvadas medidas de austeridade que o PS - que é muito mau para as pessoas! - andou a a fazer e que ele, diga-se em abono da verdade, não tem outro remédio que as repetir e as aprofundar. Só lendo é que se pode apreciar até onde vai o improviso, o passo incerto, a ausência de ideias e finalmente a incapacidade para responder a José Sócrates, ao País e à UE. Diz o insuspeito Público: "O presidente do PSD vai debater, esta noite, com o Conselho Nacional do partido, uma “proposta de programa eleitoral”, que inclui “uma estratégia económica que aposta na estabilização financeira do país”. Já o título, já a insistência em chamá-lo de "presidente" é um carinho, um afago...De seguida vem a promessa sempreeterna duma receita milagrosa, duma banha da cobra, capaz de, tá-se mesmo a ver!, estabilizar financeiramente o País. Quer dizer, não vos preocupeis mais! Consumi à fartazana que cá o rapaz, com a habilidade que me reconhecem, vai fazer numa tarde o que os governos da Itália, da França, da Espanha, da Irlanda, da Grécia, dos EUA, do Japão, e este malvado Sócrates desconseguiram em anos de PCEs e de brutais medidas financeiras!!! Passos rejeitou que o Governo ponha as responsabilidades da crise sobre o PSD (Pedro Cunha) Claro que eles nada Têm a ver com isto. Nunca propuseram agravamento de despesas nem cortes nas receitas. Nunca apoiaram quaisquer das as medidas a favor das mordomias das corporações, nunca reuniram com a Fenprof nem com o Carvalho da Silva para salivarem em conjunto. Nunca! Nem recusaram liminarmente olhar sequer para o PEC... A proposta, adiantou Passos Coelho, em conferência de imprensa na sede do PSD, integra ainda um programa de emergência de apoio aos mais carenciados e às “vítimas” das medidas de austeridade aplicadas nos últimos meses pelo Governo demissionário de José Sócrates. Oh santa magnanimidade!, Oh novo Franciscano!, Oh Madre Teresa travestida!, então, satisfeito em não apresentar qualquer medida para reduzir o défice, ainda quer continuara a aumentar a despesa? Em esmolas a repartir pelas vítimas do tsunami da governação socialista ,em tempos de crise mundial? Se a mim me encanta a ideia da caridade, à Srª Merkel , aos mercados, e aos parceirs da UE, a coisa vai cair-lhes nos regaços como verdadeiras pérolas do pensamento socio-económico imperdível! Temos lider! Passos Coelho quer assim “abrir uma janela de esperança e confiança” apesar de estar consciente da “situação grave que o país vive”. O Conde de Abranhos não diria melhor! A esperança de que fala deve ser algum dos milagres de que está à espera. E a confiança é que., palavra!, não sei de onde lhe virá. O presidente do PSD criticou ainda as recentes declarações de José Sócrates por “criar um clima emocional” que considerou não ser o mais adequado ao momento. Absolutamente de acordo! Aquele Sócrates que ontem desceu os degraus de S. Bento, ao fim do dia, para explicar ao País que continuavaà espera de que os autores do derrube do Governo e da recusa do PEC, aprovado e apoiado em Bruxelas, dessem uma oportunidade à Europa e aos seus lideres, que anseiam pelas medidas alternativas ( a tal "janela de esperança e confiança" para a estabilização financeira do País, seja lá o que isso for) e que a oposição coligada se comprometeu a apresentar em alternativa ao que recusou, não só aprovar, como discutir ou alterar! Gente de tomates, porra! Só não percebe quem for mesmo ceguinho de todo! Sobre o desafio de Sócrates para que os partidos da oposição apresentassem alternativas às propostas do Governo, o social-democrata retorquiu que “o PSD não está a Governar”. Quero acreditar que não fui só eu que me comovi com a clareza do pensamento e da visão política da coisa! Então, não foi aqui umas linhas acima, nesta mesmíssima declaração que se escancarariam as "janelas sobre a confiança e das medidas estabilizadoras" que já não era sem tempo!, porra, ele nos prometeu ainda para hoje e depois de uma reunião que ansiamos? Não foi isso, que ele agora mesmo disse? Que nos ía tirar da lama, da desconfiança e da instabilidade financeira, ASSIM COMO QUEM MUDA DE CAMISA? Ou as tais suculentas medidas são para consumo próprio? e escondidas dos destinatários? Está mal! O presidente do PSD assegurou ainda que o partido não subirá os impostos, caso venha a ser Governo, e voltou a esclarecer que, para cumprir as metas de redução do défice – com a qual se compromete – ( como, sff?), preferia uma subida dos impostos sobre o consumo “do que ir às pensões”. Agora é que me ponho a chorar. Alguém me ajude! Não consigo perceber nada . Numa só frase diz e desdiz, promete e falta, faz e desfaz: Tão depressa garante que vai manter impostos como de seguida confirma que subirá o IVA, que como todos sabemos, esse, nunca vai às pensões... Não senhor. Os pensionistas recebem tão pouco que mal notarão que lhes reduziram o poder de compra em mais 3 ou 4% acrescidios, está bem de ver, da respectiva inflação que, não sendo nada com ele, nem com as janelas de confiança nem com estabilidade financeira, está-se mesmo a ver!, não afeta pensões por mais magras que sejam. Grouch Marx vai passar à História como um triste, sem chiste nem imaginação. Este Passos não! Este génio da coerência política, fica eternamente ligado a momentos de que o Santana Lopes se envergonharia!

1 comentário:

aires disse...

Excelente!!!

este putedo brinca aos homensinhos, com custos para o pais!!!

Com um Venerando tonto que fala quando deve estar calado

e cala-se quando deve actuar patrioticamente

isto é um fartar vilanagme rasca

ainda por cima em sobressalto de puberdade!!!

abraço