sexta-feira, novembro 14, 2008

Atirar a pedra e esconder a mão

Ou, como mentir, mentir sempre!
E eu a pensar que estes sindicalistas de camisa aberta, pelos no peito, olhos esbugalhados focados nos amanhãs que cantam, e bigode retinto, eram assim, uns homenzinhos!
Que quando atiravam a pedra, mostravam a mão!
Engano, puro engano!
Toda a gente viu os professores a manifestrem-se em conjunto com os alunos que insultavam e atiravam ovos e tomates.
Todos os ouvimos a solidarizarem-se com os tais estudantes.
Todos ouvimos os responsáveis partidários a rebolarem-se de gozo pelas arruaças e pelos desmandos! E a culparem dos agravos, os visados, não os agitadores. Isso não!
Todos ouvimos os miúdos não saberem do que estavam a reclamar e a repetirem que tinham sido convovcados por sms e que nas aulas os professores os organizaram e convenceram a fazer desordem e a insultar.
Todos podemos ler no blog oficial do próprio BE o texto completo da mensagem transmitida aos alunos de quase todo o País!:
"Está na hora, está na hora, da ministra ir embora. Pessoal, bora nos juntar e fechar as escolas de todo o País. Greve nacional no dia 14 (temos 2 dias para organizar a maior greve de sempre) até que o regime de faltas seja alterado?? Já começou no Norte e agora vamos fazer com que se arraste por Portugal... Passa a mensagem. Todos juntos vamos conseguir".
Mas os tais homens que eu julgara de barba rija, escondem a mão e "não senhor! é falso! e se alguém disser o contrário vamos para os Tribunais."
Curiosa coincidência, a de este senhor estar sempre a ameaçar com Tribunais. deve ter uma vaga esperança na sua extraordinária qualidade em Portugal!
Eu pergunto é se a instrumentalização de menores e os desmandos dentro de edifício públicos contra altos responsáveis do governo democrático não têm consequências penais?
E o claro incitamento à violência e a perturbação da ordem pública já deixaram de ser valores protegidos?

6 comentários:

Planetas - Bruno disse...

Nem mais caro MFERRER, a proposito tb comentei a esse respeito, sobretudo nas consequencias que este "carnaval" vai ter nas relações entre alunos e professores.

Diogo disse...

Aquilo que Sócrates mais a sua matilha andam a fazer não é incitamento à violência e a perturbação da ordem pública?

10 estádios de futebol? Otas e TGVs? Auto-estradas? Lucros fabulosos para as construtoras? 11% de IRC para os bancos? Estamos a falar de quê?

Porfirio Silva disse...

Convite. Dê a sua opinião sobre a avaliação dos professores. Diz que é uma espécie de inquérito.

Samuel disse...

A forma como esta canalha arruaceira, dita de esquerda, está a manipular os alunos para criar uma situação de insubordinação generalizada que sirva de apoio à sua própria insubordinação, é revoltante. Espero que o tiro não lhes saia pela culatra. A classe docente vai ter muito que penar para recuperar alguma credibilidade, depois de tantos dos seus elementos se deixarem arrastar para nível tão baixo.

Porfirio Silva disse...

Avaliação: 1/4 de quilo de razão?

MFerrer disse...

Gostava que o Porfírio explicasse a sua tese entre as relações de trabalho e a Avaliação dos professores ou sobre os 50% de insucesso escolar, até apenas ao 10 ano, sff.
E já agora o que pensa dos resultados mais do que previsíveis do seu "inquérito".
Ou sobre a avaliação dos professores e o ensino privado? O que é que uma coisa tem a ver com a outra?
No privado não se avaliam os professores?
A grande diferença é que sempre foram avaliados no privado e agora, na EP, até recusam a sua auto-avaliação. Pois é disso que se trata. A desculpa esfarrapada das grelhas e do excesso de trabalho para se avaliarem é uma grande treta, to say the least!
Apenas não queem ser avaliados e os sindicatos do disparate e da irresponsabilidade acharam um filão. Enquanto ele der, vai ser a corrida ao ouro. Se por hipótese essa esquerda um dia chegasse ao poder, bom, acabavam-se as avaliações, os rankings e os sindicatos, como bem sabe.
Tenha paciência que a minha esgotou há muito.
MFerrer