quinta-feira, novembro 13, 2008

O incitamento à anarquia e os seus cúmplices - 2

Quando aqui há uns meses uma calmeirona de uma aluna, arreou na professora que lhe tirava o telemóvel, o País teve uma paragem cardíaca e correram rios de tinta e puseram-se mesas redondas e doutros formatos para discutir a indisciplina, o facilitismo e o laxismo do Governo, das Leis, do ME e da própria Ministra.
Quando, também há semanas, todo o País mediático vibrava com o facilitismo e a ausência de medidas de exigência nas Escolas, nos exames, e sobre as facilidades concedidas aos alunos, também foram inúmeros os foruns a discutir tudo e mais alguma coisa. Agora que afinal, segundo parece os alunos se queixam de terem de estudar, de não poderem faltar às aulas que nós pagamos, e atacam com o que têm à mão os responsáveis do Governo do País, onde está essa imprensa revoltada com os regulamentos?
Onde param os intelectuais e os sindicalistas que tanto zelo tinham há dias, sobre todas as matérias da Educação, nomeadamente sobre o facilitismo? Onde param?
Afinal em que é que ficamos? Promove-se o facilitismo e desorganização nas Escolas ou há rigor e disciplina democrática?
Afinal a Fenprof/CGTP/PCP/BE/CDS/PSD que recusam o Estatuto do Aluno, o que defendem? Os ataques dos alunos aos professores? Aos responsáveis políticos? Não foram eles que andaram pelo País, de terra em terra, a perseguir a caravana do 1º Ministro a soltar insultos e apupos?
E querem agora dar lições de quê?
Não querem ser avaliados? Já percebemos porquê!

4 comentários:

Ana disse...

Não sabe como "me soube bem" ler o seu post, pensava que não era deste mundo ao defender posições identicas às que defende em rota de colisão com todos ou quase todos.
Obrigada pois fez sentir-me orgulhosamente acompanhada.
Cumprimentos

MFerrer disse...

Obrigado Ana pela sua opinião.
E sabe, talvez não sejamos assim tão poucos.
Uma volta pelos foruns e pelos blogs mesmo os de direita, têm opiniõesde pessoas "vulgares como nós" e que há muito perceberam o logro em que tantos oportunistas nos querem enrolar!
A escolha é clara: Ou as Escola Pública promove o ensino e a educação como objectivos principais, ou promove o emprego dos professores.
Este equívoco é a mãe de todos os abandonos , de todos os insucessos e pelos vistos de todas as manifs.
MFerrer

Miguel disse...

Leu efectivamente o estatuto do Aluno? Não em aprece, pois ninguém pode afirmar que aquela coisa promove a disciplina e o rigor.

Convido-o a ver a nossa opinião (não somos professores) em http://www.petitiononline.com/minedupt/petition.html

Obrigado.

MFerrer disse...

Aquela Coisa é uma Lei da República aprovada com os votos do PS e do PSD.
Depois, é um instrunmento muito sério e valioso para a definição e, da sua prática, dos direitos e dos deveres dos Alunos que, não sei se sabe, são a única razão de ser das escolas.
O dever de ensinar, de proporcionar o desenvolvimento dos jovens e das suas capacidades e cidadania, corresponde ao direito que os jovens têm de aprender.
A Escola Pública tem a obrigação de promover as aprendizagens , por todos os meios possíveis e conhecidos, e os alunos têm o direito a adquirirem conhecimentos e capacidades.Uns mais do que outros, uns mais depressa do que outros. Agora não me venham falar em Escola Pública que promove o insucesso de 50% dos alunos, mas recebe a mesma verba do que se tivesse conseguido os 100%.
Quem não percebe isto são os elitistas e os que defendem uma escola punitiva, anti-democrática e classista.
Vá ver o que se passa em sociedades avançadas com elevado nível de aprendizagem , de capacidades e de desenpenho profissional, e depois pense um bocado qual a razão do nosso insucesso.
Não me venha com a demonização do EdA pelos professores que têm a obrigação de melhorar o ensino , não o de o suspenderem ou de se fazerem de vítimas.
Fico por aqui. Quem tem de ler mais alguma coisa não sou eu!
MFerrer