segunda-feira, setembro 19, 2005

A superioridade da nossa justiça

Há dois dias foi desmantelada no Rio de Janeiro uma quadrilha de traficantes de cocaína e de lavadores de dinheiro.
A nossa imprensa falada e escrita deu a notícia e as imagens do costume, sem referir quaisquer nomes. Protecção do bom nome dos suspeitos, diz a lei.
Estava entre os detidos um português dono de uma cadeia de supermercados aqui em Portugal... Mas sem nome, para protecção do mesmo!
A droga viria dentro de dobrada, congelada.
Mas lendo um jornaleco brasileiro, que por dia vende mais que todos os diários portugueses, juntos, durante quase um mês, lendo, dizia, ficamos a saber quem são os traficantes , a que actividade lícita e ilícita se dedicavam e com os detalhes jornalísticos minimamente aceitáveis.
Claro, claro, são apenas suspeitos. Não foram condenados por nada, ainda. O carrito apreendido, um Porche devidamente blindado e recheado com 500.000 dólares é um objecto que em si próprio não incrimina ninguém. Pode muito bem ter sido um sobrinho, taxista e muito poupado, que lho tenha oferecido.
Aliás as notícias aqui em Portugal deviam ser dadas assim:
Ontem, elementos que afirmam pertencer à PJ e ao MP entraram em casa de dois inocentes e tendo encontrado eventuais provas do seu eventual e provável envolvimento numa ou duas actividades sem alvará comercial, tiveram que os fazer transportar para a sede da polícia onde aguardam a chegada dos seus advogados.
A polícia também apreendeu na altura uma quantidade de estupefaciente e de dinheiro o qual se encontrava no interior de uma viatura automóvel topo de gama.
Lá, onde a democracia ainda gatinha e chupa no dedo, os bois têm nome!
O que mais me intriga é como aqui só se apanha peixe miúdo e uns carteiros da droga. Que me lembre nunca foram a julgamento assim uns tubarões, uns chernes, uns espadartes! Só petinga e carapau da costa. E estavam frescos. Nem congelados estavam.

2 comentários:

José Ferreira Marques disse...

A nossa sociedade sofre de obscurantismo crónico.
É preciso denunciá-lo.

matarbustos disse...

eheh hilariante. Como se não bastasse, se a petinga for marroquina fala-se n'"os traficantes" ou n'"os delinquentes" enquanto que se a petinga for tuga diz-se "os jovens". A nossa imprensa não é assim tão zelosa da lei... A propósito (ou nem por isso), anuncia agora a RTP1 a 'Cidade de Deus' como filme para amanhã... A não perder.