sexta-feira, junho 13, 2008

Onde param os arautos do populismo oportunista?

Com a devida vénia, de O Canhoto,
"Há dois dias atrás sustentei aqui que (i) a crise dos combustíveis seria um potente revelador de tensões até agora ocultas e que, por isso mesmo, ela só poderia ter uma resolução aceitável se (ii) a concepção e a aplicação de medidas de fundo fosse separada da (iii) resolução das questões de forma, que obrigavam a repor a legalidade democrática.Nos últimos dias, os arautos do populismo bota-abaixista - quer da direita, quer do BE e do PCP - não tiveram uma palavra contra os desmandos e as flagrantes violações das liberdades que os media abundantemente nos mostraram.Jogando a fundo na oportunidade política criada pela crise genuína dos pequenos transportadores - que Ângelo Correia teve o cuidado de explicar na SIC Notícias que não eram nem de esquerda nem da CGTP - o CDS reclamou reduções de impostos, Santana Lopes e Manuela Ferreira Leite primaram pelo silêncio, e o BE e o PCP comprazeram-se, em plena situação de crise, em contribuir para a redução da governabilidade do país, tentando beneficiar, mesmo que marginalmente, do que poderia ter sido uma crise aguda e crescente do abastecimento público, com largas potencialidades desestruturadoras.Uma vez mais, quanto a sentido das responsabilidades e à primazia do bem público, estamos conversados: tivemos, do CDS, do PSD, do PCP e do BE, o que seria de esperar, isto é, nada que mereça respeito."
Inserido por António Dornelas ( ler mais )

1 comentário:

Luisa disse...

E vamos a ver o que mais vem por aí!!!!