quinta-feira, outubro 20, 2005

Comunicado da Procuradoria Geral da República


Ora, como dissemos, os comunicados já se atropelam uns aos outros e não há blog que aguente tantos e tão saborosos pedaços de prosa, já pela consistência organizativa das ideias, já pela substância dos carnudos factos, já pelas múltiplas informações prestadas, mas, e principalmente, pelas não comunicadas, pelas surrelfiadas e pelas deliciosas ameaças de perseguição a todos os mensageiros atrevidotes:
NOTA PARA A COMUNICAÇÃO SOCIAL
da PGR

Ao abrigo do disposto na alínea b), do nº 9, do artigo 86º do Código de Processo Penal é prestado o seguinte esclarecimento público:
Nos últimos dias, foram levadas a cabo sob promoção do Ministério Público várias diligências de recolha de prova junto, designadamente, de instituições financeiras, e em diferentes pontos do país.
Tais diligências justificaram-se no âmbito de uma investigação dirigida pelo Ministério Público e que tem vindo a ser conduzida, há cerca de um ano, pela Inspecção Tributária do Ministério das Finanças e que contou, nesta fase, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.
Trata-se de um processo pendente no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), com a jurisdição do Tribunal Central de Investigação Criminal (TCIC), sob a coordenação de uma equipa de magistrados do Ministério Público colocada no DCIAP, em que se reuniram várias investigações parcelares por haver fundamento de conexão.
As suspeitas incidem sobre a prática de crimes de fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais, tendo sido identificados esquemas de fraude que apontam para um prejuízo causado ao erário público, nos últimos três anos, de muitos milhões de euros, só em sede de IRC e IRS não pagos.
As diligências realizadas beneficiaram da colaboração das entidades detentoras de dados e informações pretendidas e permitiram alcançar indícios importantes para o cabal esclarecimento dos factos e identificação dos seus autores.
O Ministério Público procederá criminalmente contra as grosseiras violações do segredo de justiça que lamentavelmente e mais uma vez se verificaram à roda deste caso.

Lisboa, 19 de Outubro de 2005
O Gabinete de Imprensa
Ana Lima
Tomaram nota? É que isto dos mensageiros serem portadores de más notícias é um verdadeiro pesadelo. Claro, claro, toda a história aqui contada, bastante em pormenor com o nome dos lesados - todos nós contribuintes - com o nome de todos os Departamentos Policiais envolvidos e com a fantástica precisão numérica dos valores envolvidos, repito, com a precisão de um Guilherme Tell, ficámos informados que muitos milhões de Euros deram à sola e já cá não estão!
E pronto! Cumprida a missão e feito o aviso, façam o favor de se calarem todos que quando for preciso receberemos novo comunicado!

2 comentários:

Anónimo disse...

Por que não acabam com uma coisa que não existe ?

MF disse...

Lanço daqui um apelo a que alguém me lembre dentro de, digamos, assim 12 ou 18 meses, me lembre, digo eu, de mandar ver quantos processos com crimes tipificados e eventualmente com réus presos é que vai haver, nessa altura. Claro,claro relacionados com esta zerozerosétima investigação que envolve assim tantos polícias e outras forças da lei?
Obrigadinho é o que eu vos desejo!
Não vá dar-se o caso de me distrair com uma ida à Feira Popular e deixar passar este bancário assunto.